• fevereiro 2012
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    272829  
  • Categoria

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

Museu Ana Maria Casasanta e Biblioteca Bartolomeu Campos Queirós já recebem o público na Magistra

Mais do que um espaço para capacitação de profissionais ligados à educação em Minas Gerais, a Magistra, Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores, instalada no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, tornou-se um espaço de resgate da história da educação. Inaugurada na última quinta-feira (2), a Magistra abriga o Museu Ana Maria Casasanta Peixoto, com um acervo de seis mil peças, e a Biblioteca Bartolomeu Campos Queirós, que conta com cerca de 50 mil títulos. Os dois espaços já estão disponíveis para visitação.

O passeio pela história da educação mineira começa por entre as peças do museu. Com reproduções de salas de aula que contam diferentes momentos da educação em Minas, o visitante se depara com objetos que remontam diversos períodos. No fim do século XIX até o início da década de 1930, por exemplo, vigorou no Estado o modelo da escola tradicional. E algumas peças são simbólicas desse período. As carteiras eram fixadas no chão e a mesa do professor ficava em cima de um tablado, para reafirmar a posição de autoridade em relação aos alunos.

Entre as demais peças do acervo em exposição, o visitante encontra cartilhas de leitura e livros didáticos históricos, uniformes, aparelhos de todos os tipos, como os primeiros modelos de computadores, entre outras peças do cotidiano da educação em diferentes épocas. De palmatórias e mata borrões, os objetos remetem a tempos em que alunos e estudantes nem sonhavam com laboratórios.

“Há no museu, por exemplo, uma pequena lousa que era usada pelos estudantes no início do século XX. Naquela época, o papel era muito caro e, antes de escrever no papel, os estudantes tinham de treinar na lousa”, conta Nelma Marçal, pedagoga do Museu Ana Maria Casasanta Peixoto. As visitas ao museu já estão abertas. Basta, para tanto, fazer o agendamento pelo telefone 3379-8431.

O acervo da biblioteca que hoje leva o nome do escritor Bartolomeu Campos Queirós conta com os mais variados tipos de livros, entre literários e didáticos, de diferentes décadas. Em sua maioria, o acervo de 50 mil exemplares agregou títulos que estavam no extinto Centro de Referência do Professor, que funcionava na Praça da Liberdade, e o acervo do Instituto de Recursos Humanos João Pinheiro, além de doações.

Com publicações que datam do início do século passado, a biblioteca reúne títulos que marcaram a vida estudantil de várias personalidades mineiras. Tanto que, no dia da inauguração (02/02), o governador Antonio Anastasia chegou a fazer menção a uma coleção que usou nos seus estudos. “Essa coleção aqui eu estudei muito. Devo ainda saber tudo de cor”, brincou o governador, elogiando a coleção do Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro, da Fundação Getúlio Vargas, disponível na biblioteca.

O acervo conta ainda com livros antigos. Um exemplo é o livro “Reforma de Ensino Público Primário e Normal em Minas”, de Estevam Oliveira. Esse exemplar é um relatório finalizado em 3 de agosto de 1902 e apresentado ao então secretário do Interior de Minas Gerais. Há também obras que continham todos os hinos, marchas e canções escolares que eram executadas na década de 1920. O chamado “hinário”, ou “hymnario”, eram publicações que os estudantes usavam para decorar os hinos que executavam nas escolas.

Salas especiais

Os visitantes da biblioteca poderão procurar os títulos de interesse por entre as várias estantes ou fazer buscas mais específicas nas salas especiais. As salas homenageiam intelectuais e educadores mineiros, entre eles o escritor Bartolomeu Campos Queirós, que dá nome ao espaço.

A família do escritor, que faleceu em janeiro deste ano, doou à biblioteca os móveis e o acervo que Bartolomeu utilizava em seu escritório. A transferência das peças ainda está sendo feita, mas segundo a organização da biblioteca, a sala especial em homenagem ao escritor vai reproduzir o ambiente no qual ele estudava e escrevia. Autor de mais de 40 livros, Bartolomeu Queirós recebeu diversos prêmios literários, entre eles o Prêmio Jabuti, e ajudou na concepção do Museu na Magistra.

As educadoras Alda Lodi e Ana Maria Casasanta também são homenageadas com salas especiais na biblioteca. A primeira já teve seu acervo, com cerca de três mil livros, doado à biblioteca e já está disponível para consulta. A coleção da professora e historiadora Ana Maria Casasanta já está em fase de transferência para o espaço da biblioteca.

Exposição homenageia trabalho de educadoras mineiras

Além de capacitar servidores que atuam na educação, a Magistra também será um espaço para homenagear personalidades que contribuíram para a educação mineira. A escola abriga a exposição ‘Educadoras de Minas’, iniciativa que, por meio de textos e fotografias, apresenta a trajetória de profissionais que colaboraram para o desenvolvimento do ensino no Estado. As primeiras educadoras homenageadas são Alda Lodi e Alaíde Lisboa.

Alda Lodi nasceu em Belo Horizonte, em 17 de dezembro de 1898, filha de Luiz Lodi e Annunciata Mora Lodi, imigrantes italianos. Em 1912, aos 13 anos, foi matriculada na Escola Normal Modelo da Capital. Em 1916, iniciou sua carreira na mesma instituição como professora da primeira classe mista anexa à Escola Normal.

Já em 1927, selecionada pelo governo do Presidente Antônio Carlos Ribeiro de Andrada (1926-1930), integrou a equipe enviada à Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque/EUA, para cursar dois anos de especialização no Teacher´s College. Ao retornar a Minas, constituiu o núcleo fundador da Escola de Aperfeiçoamento, instituição criada na Reforma Educacional Francisco Campos, um marco na história da educação de Minas Gerais. Alda Lodi contribuiu no processo de formação de várias gerações de educadores em Minas Gerais, atuando na docência e na administração do ensino mineiro.

Já a escritora, educadora, ex-vereadora e professora aposentada da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Alaíde Lisboa, foi uma das grandes personalidades brasileiras nas áreas da educação e literatura infantil. Natural de Lambari, município mineiro onde passou a infância e a adolescência, a professora, integrante da Academia Mineira de Letras, tornou-se, em 1950, a primeira vereadora da capital mineira. Tanto na infância em Lambari, onde estudou no Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior, quanto na adolescência em Campanha (MG), Alaíde Lisboa revelava grande gosto pelo estudo.

Após anos de estudo, a educadora aproximou-se da UFMG, onde lecionou Didática Geral e Especial. Foi também diretora do Colégio de Aplicação da Universidade e vice-diretora da Faculdade de Educação (FaE), onde organizou o mestrado da área. Atuou como professora da pós-graduação na FaE e na Faculdade de Medicina, dedicando-se à disciplina metodologia do ensino superior.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: