• agosto 2012
    S T Q Q S S D
    « jul   set »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031  
  • Categoria

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

  • Anúncios

IDEB: Veja destaca Educação em Minas

IDEB: Especialista afirma que Minas faz a “lição de casa” em matéria de Educação e que segue “a receita de estruturar o ensino”.

IDEB 2011: Educação em Minas

Fonte: Agência Minas

VEJA destaca excelência da educação pública de Minas e os bons resultados do Estado no IDEB

Entrevistado da publicação declara que municípios mineiros estão fazendo a “lição de casa”; escolas públicas de Minas são citadas como exemplo

 IDEB: Veja destaca educação em Minas

IDEB: Especialista afirma que Minas faz a “lição de casa” em matéria deEducação e que segue “a receita de estruturar o ensino”.

A edição nacional da revista VEJA desta semana destaca em duas matérias os bons resultados alcançados pelas escolas públicas mineiras no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), divulgado na semana passada pelo Ministério da Educação.

Na entrevista de Páginas Amarelas, o especialista João Batista Araujo e Oliveira, presidente do Instituto Alfa e BetoONG dedicada a estudos educacionais – afirma que vários municípios de Minas Gerais, de São Paulo e do Ceará estão fazendo a “lição de casa” em matéria de Educação. “Elas seguem a receita de estruturar o ensino, de cuidar de questões que realmente fazem a diferença”, pontua o educador. Clique aqui para ler a íntegra da entrevista.

As escolas públicas mineiras também são destacadas na reportagem em que a VEJA analisa especificamente os resultados do IDEB. A matéria utiliza o exemplo de Minas Gerais para afirmar que “mais dinheiro não é condição necessária para alcançar excelência” no ensino.

“O estado é campeão nacional no primeiro ciclo do ensino fundamental – com IDEB 5,9 em contraste com o IDEB 5 da média brasileira –, mas no ranking dos gastos por aluno está em apenas 14º. Em contraponto, a revista cita o caso do Amapá, que tem IDEB 4,1 (30% menos que o de Minas) mas aparece na terceira colocação entre os estados mais gastadores.

 IDEB: Veja destaca educação em Minas

IDEB: Veja destaca educação em Minas

De acordo com a especialista Maria Helena Guimarães, ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira(INEP), citada na matéria, a explicação é que a educação em Minas está fundada sobre as bases da continuidade nas políticas públicas e na articulação entre estado e municípios.

“Além disso, o estado – que ainda emplacou em primeiro lugar a Escola Municipal Carmélia Dramis Malaguti, de Itaú de Minas – tem dado relevante ênfase aos programas de alfabetização”, conclui a reportagem.

Clique aqui para ler a íntegra da reportagem da VEJA.

IDEB: educação em Minas – Link para matéria – http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/veja-destaca-excelencia-da-educacao-publica-de-minas-e-os-bons-resultados-do-estado-no-ideb/

Read more: http://www.jogodopoder.com/blog/politica/ideb-veja-destaca-educacao-em-minas/#ixzz24OpmZ16W

Anúncios

América Latina: Brasil lidera desigualdade

Brasil lidera desigualdade na América Latina. Pouco mais de 20% da população vivem em situação de pobreza ou indigência.

Brasil desigual

Fonte: G1

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Relatório do programa ONU-Habitat traz dados sobre distribuição de renda.

Segundo o estudo, país só está atrás de Guatemala, Honduras e Colômbia.

 Brasil lidera desigualdade na América Latina

Brasil desigual

Apesar do crescimento econômico, que levou o país a ultrapassar o Reino Unido e consolidar o sexto maior Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, o Brasil ainda é uma nação de desigualdades. Segundo relatório sobre as cidades latino-americanas feito pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat), o Brasil é o quarto país mais desigual da América Latina em distribuição de renda, ficando atrás somente de Guatemala, Honduras e Colômbia.

 Brasil lidera desigualdade na América Latina

O Brasil, no entanto, avançou no combate a desigualdades nas últimas décadas. De acordo com o estudo, o país era, em 1990, o número 1 do ranking das nações com pior distribuição de renda.

De acordo com o levantamento “Estado das cidades da América Latina e do Caribe 2012Rumo a uma nova transição urbana”, divulgado nesta terça-feira (21), a América Latina é a região mais urbanizada do mundo. O relatório projeta que a taxa de população urbana chegará a 89% em 2050. O índice de urbanização brasileira foi o maior em toda a América Latina, entre 1970 e 2010. Hoje, 86,53% da população brasileira vivem em cidades.

O rápido crescimento, no entanto, não significou o desenvolvimento das regiões urbanas do país, que sofrem com problemas de infraestrutura, moradia, transporte, poluição e segurança pública. Além disso, cinco cidades brasileiras estão entre as que têm pior distribuição de renda entre as camadas da população em toda a América Latina: Goiânia, Fortaleza, Belo Horizonte, Brasília e Curitiba.

O estudo destaca o forte crescimento do PIB brasileiro, de 1970 a 2009, deixando para trás o México e os países que formam o Cone Sul – Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai – e “cobrando relevância mundial”. Hoje, o PIB do país representa 32% do total do PIB da América Latina. Ainda assim, quando se analisa o PIB per capita, o Brasil ocupa uma modesta 13ª colocação, de pouco mais de US$ 4 mil por ano, abaixo da média latino-americana e dos países mais desenvolvidos da região, como México, Chile, Argentina e Uruguai, e até mesmo da Venezuela, que tem a economia muito dependente do petróleo.

O Brasil ainda perde para a maioria dos vizinhos na questão da pobreza. Pouco mais de 20% da população vivem em situação de pobreza ou indigência, percentual maior do que no Uruguai, na Argentina, no Chile e no Peru. Costa Rica e Panamá também ficam a frente do Brasil, com menores percentuais na Taxa de Pobreza Urbana.

 Brasil lidera desigualdade na América LatinaEstudo do programa ONU-Habitat traz Brasil como
quarto país mais desigual (Foto: Reprodução)

Entretanto, o número de pobres e indigentes no Brasil caiu pela metade em duas décadas: de 41%, em 1990, para 22% da população em 2009. Argentina e Uruguai também reduziram pela metade o número de pobres, que hoje são 9% da população, em ambos os países. Mas foi o Chile o grande campeão no combate à pobreza, com redução de 70% – de 39%, em 1990, para 12%, em 2009, referente a percentual da população pobre no país.

De acordo com o pesquisador Erick Vittrup, oficial principal de assentamentos humanos da ONU-Habitat, hoje existem 124 milhões de pessoas pobres vivendo nas cidades, o que equivale a cerca de 25% da população total da América Latina. Destes, 111 milhões moram em favelas.

saiba mais

A ONU-Habitat considera como pobre quem vive com menos de US$ 2 por dia (cerca de R$4). “Se nada for feito para mudar esse panorama, em nível mundial, toda a população urbana de hoje, que corresponde a 3,5 bilhões de pessoas, vai morar em favelas, em 2050”, afirmou. Atualmente, 1 bilhão de pessoas vivem em favelas, em uma população global de 7 milhões de pessoas.

Veja o que o relatório fala sobre alguns indicadores brasileiros:

Saneamento
O estudo da ONU-Habitat mostra que o Brasil é apenas a 19ª nação da América Latina em atendimento de saneamento básico. De acordo com a pesquisa, pouco mais de 85% da população urbana têm saneamento em casa, sendo que as cidades intermediárias são as menos favorecidas neste quesito.

Água
Erick Vittrup ressalta que, apesar de quase a totalidade do território urbano brasileiro ser coberto por abastecimento de água encanada, ainda há muitos problemas de fornecimento em favelas e em áreas na periferia das cidades, onde o fornecimento sofre interrupções com alguma frequência. “A qualidade da água em muitas regiões também é ruim, pois existe uma cobertura precária de estações de tratamento”, disse.

Favelas
O Brasil é o 14ª país da América Latina, segundo o relatório, com mais pessoas vivendo em favelas. No país, 28% da população moram em comunidades com infraestrutura precária, a grande maioria em situação informal. O índice de moradores de favelas no Brasil é mais alto do que a média latino-americana, de 26%.

Poluição
O levantamento afirma que o Brasil é o segundo maior poluidor da América Latina, responsável pela emissão de 23% gases que provocam o efeito estufa na região. O percentual é igual às emissões de todos os países do Caribe somados aos quatro países do Cone Sul. O Brasil só perde para o México, que é responsável pela emissão de 30% dos gases poluidores na região. De acordo com a pesquisa, 77% do gás carbônico emitido na cidade de São Paulo são originados de veículos de transporte individual, como carros de passeio, caminhonetes, picapes e motos – o percentual mais alto do Brasil.

Transportes
São Paulo também é citada no estudo como uma das cidades brasileiras que mais sofrem com o trânsito. Segundo o relatório, cada ocupante de um automóvel produz, em quantidade de horas, 11 vezes mais congestionamento do que o passageiro de um ônibus. Ainda de acordo com o estudo, os engarrafamentos na capital paulista ocasionam um custo adicional de operação de 15,8% para os transportes públicos.

Violência e feminicídio
O relatório afirma que a violência e a delinquência são consideradas, de acordo com pesquisas de opinião, as principais preocupações dos cidadãos latino-americanos. A Taxa de Homicídios anual da Região é a mais elevada do mundo, com mais de 20 mortes por cada 100 mil habitantes. “O Rio de Janeiro já esteve no top 10 das cidades mais violentas. Agora, as cidades mais inseguras se encontram na Guatemala e no México. Mas o Brasil ainda tem cidades muito violentas”, afirma Erick Vittrup.

O estudo ainda afirma que o Brasil é um dos países com a mais alta taxa de feminicídio – todos os assassinatos de mulheres relacionados à violência de gênero – do mundo, ficando na 11ª colocação na América Latina.

Futuro promissor à vista
O levantamento da ONU-Habitat ressalta que, apesar dos problemas e desafios para desenvolver as cidades, o Brasil e a América Latina estão prestes a viver um novo ciclo de transição urbana, que tem como objetivo garantir a “melhora fundamental da qualidade de vida nas cidades”, com igualdade e sustentabilidade.

O estudo ainda afirma que “um dos casos mais famosos e exitosos” da América Latina com relação à regulamentação da administração pública das cidades é a Lei de Responsabilidade Fiscal, promulgada no Brasil em 2000. A lei impõe um controle na capacidade de endividamento e equilíbrio nas contas públicas, e proíbe a acumulação de déficits de um período de governo para outro.

Para Erick Vittrup, as principais soluções para as cidades consistem em promover políticas de harmonização e coesão territorial, acelerar o ritmo das reformas urbanas e investir mais esforços no monitoramento das cidades. Para ele, existe experiência, capacidade, recursos e consciência políticapara melhorar a qualidade de vida nas cidades. “O principal desafio é como desenvolver instrumentos para combater as desigualdades enormes dentro das cidades”, finaliza.

 Brasil lidera desigualdade na América Latina
Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução)

Link: http://www.jogodopoder.com/blog/gestao-publica-4/brasil-lidera-desigualdade-na-america-latina/#ixzz24Ovyin2U

Senador Aécio Neves: governo do PT sufoca estados e municípios

Senador Aécio Neves alerta em seus discursos e entrevistas que governo do PT sufoca estados e municípios.
senador Aécio Neves tem alertado, em discursos no Senado e entrevistas à imprensa, para a gravidade do processo de dependência política e econômica de estados e municípios em relação ao governo federal.
senador Aécio Neves tem criticado a paralisia de matérias essenciais para o país , como a renegociação das dívidas dos Estados, a desoneração das empresas estaduais de saneamento (que pagam em impostos quase o mesmo o que investem), a revisão do vencido marco regulatório sobre a exploração mineral e o injustificável atraso do novo plano decenal da educação (PNE). Medidas que são importantes para permitir o aumento da capacidade financeira e de investimento dos estados, mas que dependem da decisão do governo federal.
“Ao mesmo tempo em que concentra recursos e retarda decisões, o governo federal transfere responsabilidades para os estados e municípios. Casos como a regulamentação da Emenda 29, em que o governismo obrigou os entes federados a adotarem patamar mínimo de investimentos na saúde, eximindo a União do mesmo dever, ou a adoção, sem a devida contrapartida financeira, de piso salarial para carreiras extensas do funcionalismo, remuneradas de forma preponderante por estados e municípios, são exemplos de como o governo central adia decisões importantes para os entes da Federação, mas transfere para eles cada vez mais responsabilidades, prejudicando o conjunto do país ”, afirmou o senador Aécio Neves.