• fevereiro 2014
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    2425262728  
  • Categoria

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

Senador Aécio e os embates para a nova política externa

Política externa do PSDB: durante os próximos 9 meses, Aécio terá farto material para marcar posição  e apresentar projeto alternativo.

Política Externa

Fonte: Folha de S.Paulo

Política externa de Aécio

Aécio Neves começou a falar de política externa.

Durante os próximos nove meses, o senador terá farto material para marcar posição própria, atacando a diplomacia de Dilma e apresentando ao eleitor seu projeto alternativo.

Às vésperas do lançamento oficial da campanha, ele tem de decidir como proceder.

O caminho mais fácil é manter a linha que o tucanato emprega há dez anos, denunciando a diplomacia do PT como anacrônica, protecionista e de inclinação bolivariana.

Exemplo dessa estratégia é o documento que o PSDB soltou em dezembro, onde se afirma que o Mercosul “precisa voltar a ser o que era”, como se a volta no tempo fosse plausível ou desejável.

No entanto, Aécio não precisa ficar refém dos chavões herdados.

Ele pode rejeitar a pressão dos correligionários para transformar sua plataforma de política externa em manifesto anti-Lula, oferecendo aos brasileiros uma agenda internacional verdadeiramente pós-lulista.

Embalado por essa visão, Aécio diria que Lula e FHC trouxeram fabulosos ganhos de posição no mundo, que o governo Dilma ora dilapida a passo acelerado.

O programa tucano mostraria que, em organismos internacionais, a agenda progressista do governo convive com o atraso: basta consultar o histórico de votos em temas como direitos humanos e trabalhistas, que afetam em cheio a vida do brasileiro comum.

Imagine só se o candidato tucano listasse as dez atitudes da diplomacia deste governo que mais atrapalham a vida dos 200 milhões.

O candidato seguiria seu instinto, como o fez outro dia na TV, rejeitando a cantilena, comum em sua sigla, segundo a qual o financiamento a Cuba seria esquerdismo míope.

Ele repetiria em alto e bom tom que o Brasil participará ativamente da abertura cubana, com contas transparentes e de olho no interesse dos cidadãos brasileiros e cubanos. Idem para o Mais Médicos.

Esse Aécio afirmaria seu compromisso com uma política pujante na África, sem deixar embaixadas inoperantes (muito menos desamparadas na hora de uma evacuação, como ocorreu no Mali).

Ele diria que seu Itamaraty terá um comitê de gestão de crises para responder aos alertas insistentes de nossos diplomatas –estejam eles a cargo da vida de um senador boliviano ou não.

Acima de tudo, esse Aécio rejeitaria logo de cara duas noções falaciosas que tanto empobrecem nossa conversa pública.

A primeira diz que um governo tucano só olharia para Europa e Estados Unidos.

A afirmativa é balela, mas, no calor da campanha, o risco de a candidatura cair nessa arapuca boba é real.

A segunda falácia diz que um governo tucano abandonaria a América do Sul.

Imagine o candidato explicando sua visão da integração regional num longo dia de campanha que começa com um café da manhã junto ao chavismo, em Caracas, e termina em um jantar com o governo de direita em Bogotá.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: