• abril 2017
    S T Q Q S S D
    « set    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
  • Categoria

  • Mais Acessados

    • Nenhum
  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

Integração de Jovens: Aécio visita sede do AfroReggae

Apoio a Jovens: Aécio conversou com integrantes e colaboradores do AfroReggae, discutiu propostas e conheceu novas ações sociais.

Integração de Jovens

Aécio Neves visita sede do AfroReggae

Ex-governador comemora dez anos da parceria firmada na sua gestão e conhece novos projetos de apoio a jovens

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), se reuniu nessa segunda-feira (10/02) com integrantes do Grupo Cultural AfroReggae, em visita à sede da ONG, no Rio de Janeiro, que marcou os dez anos da parceria da entidade com o governo de Minas em programas de apoio e integração de jovens.

Acompanhado do coordenador do grupo, José JúniorAécio Neves conversou com integrantes e colaboradores do AfroReggae, discutiu propostas e conheceu novas ações sociais desenvolvidas. Em 2004, durante a gestão Aécio Neves, o governo de Minas e o AfroReggae deram início ao programa “Juventude e Polícia“, implantado em batalhões da Polícia Militar e voltado para jovens em situação de vulnerabilidade social. Os resultados do programa foram reconhecidos internacionalmente.

“A nossa experiência com o AfroReggae é algo que existe muito antes de qualquer projeto presidencial, porque acredito nisso. E os resultados lá em Minas foram muito bons, como têm sido bons aqui também no Rio, e espero que possam ser bons no Brasil. Minha visita aqui hoje é para estreitar laços que já existiam na construção de um projeto para um Brasil que queremos melhor que o atual”, disse Aécio Neves.

Empregabilidade

Um dos projetos apresentado hoje ao senador Aécio Neves foi o “Empregabilidade”, que atua na (re) inserção de egressos do sistema prisional e de pessoas em situação de vulnerabilidade social no mercado de trabalho. O projeto já atendeu a mais de 4 mil pessoas no Rio, por meio de parceria com mais de 50 empresas. Recentemente, o Empregabilidade passou a ser desenvolvido também em São Paulo.

Em Minas, o governo Aécio Neves lançou o programa Regresso, que possibilita que egressos do sistema penitenciário tenham acesso à capacitação profissional e à inclusão formal no mercado de trabalho, contribuindo assim também para a reinserção social. No projeto, desenvolvido em parceria com o Instituto Minas pela Paz, o Estado subsidia a contratação de ex-detentos, mediante repasse de dois salários mínimos mensais para cada egresso durante 24 meses. Mais de 2.500 egressos já foram beneficiados.

Dos 48 mil detidos atualmente e Minas, 6.652 estudam e 13.253 trabalham – seja de forma autônoma, em parcerias ou na manutenção da unidade prisional. Já são 307 parcerias desenvolvidas pelo governo estadual na área.

Segurança Pública

Durante a visita, Aécio Neves afirmou que experiências do AfroReggae podem ser incorporadas às ações de segurança pública em todo país, com projetos que criem oportunidades e afastem o cidadão da criminalidade. O senador também garantiu que a segurança pública será tratada de forma prioritária pelo PSDB na agenda que o partido apresentar à sociedade brasileira este ano, durante a campanha eleitoral.

“A questão da segurança pública será absolutamente prioritária na nossa proposta, e por isso conversas como a que estou tendo hoje com o AfroReggae serão importantes. Queremos incorporar algumas experiências, não digo nem que sejam heterodoxas, mas elas fogem àquele receituário tradicional de segurança pública“. disse Aécio Neves.

Filarmônica de Minas Gerais se apresenta na Praça da Liberdade

Um dos cartões postais de Belo Horizonte, a Praça da Liberdade recebe, pela primeira vez, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, no domingo, 1º de maio, às 11 horas, em seu segundo concerto da série Clássicos no Parque em 2011. Sob a batuta do regente assistente Marcos Arakaki, será interpretado repertório intenso e variado, marcado por obras-primas de grande reconhecimento público e outras peças menos conhecidas, mas também de beleza ímpar. Com entrada franca, esses concertos buscam ampliar o acesso à música clássica em momentos de descontração e entretenimento.

No espetáculo ao ar livre, a Filarmônica interpretará as obras Abertura festiva, de Shostakovich, Sangue Vienense, de J. Strauss, Danças de Galánta, de Kodály, Nabucco: Abertura, de Verdi, O Lago dos Cisnes: Valsa, de Tchaikovsky e O Guarani: Protofonia, de Carlos Gomes.

Esta apresentação tem o patrocínio da Supermix, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Regente assistente Marcos Arakaki

Regente assistente da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Marcos Arakaki venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes (2001) e o I Prêmio Camargo Guarnieri (2009). Já esteve à frente de importantes orquestras no Brasil e no exterior, dentre elas as sinfônicas dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Norte e Paraíba; Petrobras Sinfônica; sinfônicas de Campinas, Recife, da USP e da Unicamp; Orquestra de Câmara da Osesp, Experimental de Repertório; filarmônicas de Minas Gerais, Boshulav Martinu na República Tcheca, Kharkov na Ucrânia, de Buenos Aires, da Universidade Nacional do México e também a orquestra da American Academy of Conducting, em Aspen.

Foi o principal regente convidado da Camerata Fukuda entre 2000 e 2002. Foi regente assistente da Orquestra Sinfônica de Santo André, principal regente da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, regente titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba e regente assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Como regente titular da Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem, promoveu sua reestruturação, obtendo grande reconhecimento da crítica especializada e do público na cidade do Rio de Janeiro.

Formado pela Unesp, concluiu Mestrado em Regência Orquestral pela Universidade de Massachusetts, com apoio da Fundação Vitae.

À frente da Orquestra Sinfônica Brasileira, Marcos Arakaki gravou, em 2010, a trilha sonora para o filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.

BDMG Cultural celebra centenário de José Assunção de Carvalho

Está aberta, na Galeria de Arte do BDMG Cultural, em Belo Horizonte, exposição que celebra o centenário de nascimento do pintor José Assunção de Carvalho. Natural de Gandra, pequeno povoado do município de São Domingos do Prata, na região Central do Estado, Assunção é um dos mais admirados pintores primitivos de Minas e assina obras que encantam o mundo. Uma das suas características é sempre homenagear, em cada tela, o povo mineiro e as cidades por onde passou. Ele morreu aos 92 anos e deixou para seus cinco filhos um grande acervo com imagens da cultura popular mineira.

Durante sua trajetória, Assunção trabalhou como lavrador e barbeiro para sustentar a família. Passou por Nova Era e outras cidades do interior de Minas Gerais, até se estabelecer com a família e a barbearia em Itabira. Foi neste período que seus dons artísticos tomaram forma e, em 1953, ele pintou suas primeiras bandeiras religiosas, sem nenhum conhecimento didático sobre pintura.

Religiosidade

As obras de José Assunção são caracterizadas por um estilo comprometido com a vida simples do povo mineiro, tendo como marca registrada os motivos religiosos. Suas obras retratam procissões e relembram festas populares que marcaram importantes momentos de sua vida.

Márcio Sampaio, amigo da família e curador da exposição, ressalta a habilidade do pintor em retratar os fatos do cotidiano. “Ele foi um artista que mostrou, com fantasia e ingenuidade, o espaço em que viveu. Sua alegria e sensibilidade facilitaram o registro do ambiente festivo que o envolvia”, afirma Sampaio.

A filha do pintor, Margarida Carvalho, reforça a sensibilidade e a tranquilidade com que seu pai pintava, o que, de acordo com ela, pode ser visto em suas telas. Em relação ao interesse do pai pelos motivos religiosos, Margarida lembra que ele era um homem muito religioso. “A religião sempre esteve presente em nossa família, exatamente por causa de nosso pai. Todos os domingos a gente ia à missa”, conta.

Assunção fez de sua casa, em Itabira, o seu ateliê, e o quintal era o lugar preferido para pintar. “Meu pai trabalhou até o fim de sua vida em Itabira. As pessoas passavam pela rua e admiravam os trabalhos que ele fazia tão bem”, diz Margarida.

Do quintal de Itabira, os quadros com a assinatura de Assunção ganharam o Brasil e o mundo. Podendo ser encontradas em importantes museus nacionais e de países europeus, asiáticos e norte-americanos. A família tenta manter uma lista de compradores e os locais onde estão as obras do patriarca mas, como muitas foram vendidas para turistas em Ouro Preto, o controle nem sempre é exato.

No currículo de José Assunção, há inúmeras exposições e importantes prêmios. Recentemente, a família recebeu, durante a abertura da exposição do pintor, que acontece no BDMG Cultural, em Belo Horizonte, a moção de aplauso aprovada pela Câmara Municipal de Itabira, tornando o ano de 2011 como “Ano do Centenário de Nascimento do Mestre José Assunção”. A entrega foi feita pelo vereador e presidente da Câmara, Sebastião Leite e os vereadores Martha Mouzinho e Paulo Chaves.

Além de consagrado pintor e chefe de família, Assunção também revelou tendências musicais. Durante sua carreira, atuou nos ambientes culturais das cidades por onde passou. Compositor e cantor, compôs inúmeras músicas, que se tornaram conhecidas no círculo que frequentava, inclusive as que fez para cada um de seus filhos.

José Assunção sempre demonstrou seu gosto por cartas enigmáticas e charadas que, em meio aos desenhos, fazem parte do seu acervo de cadernos e almanaques.

Quando a arte corre nas veias

A família de José Assunção carrega no sangue o legado do patriarca. Entre filhos, netos e bisnetos, vários manifestaram aptidão para a pintura. Ana Lúcia Carvalho, a caçula, já participou de salões de arte e agradaram ao público. Margarida Carvalho, a outra filha, também já expôs suas telas. Agora, bisnetos do pintor seguem os passos do bisavô em seus primeiros traços.

A mostra no BDMG é composta por quarenta obras, além de materiais utilizados pelo artista, manuscritos, cartas enigmáticas, charadas, premiações e homenagens que recebeu, fotos e material de divulgação que atestam o sucesso do pintor por mais de trinta anos. A curiosidade do acervo é um quadro inacabado, apresentando igrejas ainda sem portas ou janelas. Assunção faleceu em 2003, antes de conseguir concluir essa última obra.

A Galeria de Arte do BDMG Cultural fica na rua Bernardo Guimarães, nº 1.600. A exposição, com entrada franca, pode ser visitada de 10h às 18h.

Secretaria de Estado de Cultura assina convênio para execução do Música Minas 2011

A Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais (SEC-MG) e a Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina (AAMUCE) assinaram, nesta segunda-feira (11), convênio para a execução da terceira edição do Programa Música Minas. Criado em 2009, o mecanismo visa a estimular a circulação e a apresentação de músicos, intérpretes e compositores mineiros por cidades do mundo inteiro e participação em feiras nacionais e internacionais.

O convênio foi assinado pela secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, e pelo diretor da AAMUCE, Márcio Borges. “Minas Gerais sempre foi reconhecida por sua riqueza e diversidade musical. Reconhecemos ser papel do Estado estimular a produção da música, inclusive o surgimento de novos talentos, a consolidação e divulgação da produção e democratização do acesso aos meios de produção, exibição e fruição”, salientou Eliane Parreiras.

O Programa Música Minas é realizado pelo Fórum da Música, por meio da AAMUCE, com acompanhamento e apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura. Os recursos do convênio, previstos pela Política Pública de Cultura do Governo de Minas, são provenientes do Orçamento do Estado. Já a sociedade civil, por meio das entidades que integram o Fórum, cuida da execução do projeto. Para isso, um núcleo gestor será formado.

As ações do programa são desenvolvidas a partir de editais que contemplam: o intercâmbio, por meio de concessão de passagens aéreas; a circulação, que busca parcerias com outras instituições, programas e projetos nacionais e internacionais; e a participação de artistas e produtores mineiros em feiras de música.

Reforçando a política pública de interiorização da Secretaria de Estado de Cultura, esta edição do programa desenvolve dois tipos de ações para o interior: na primeira linha, 15 artistas mineiros se apresentam pelo Estado. Enquanto, paralelamente, grupos compostos de três membros cada, percorrerão 20 cidades do interior do Estado para realização de painéis em que serão divulgados os editais e apresentadas as ações do programa, de forma a orientar e estimular a participação de grupos locais na organização e criação de entidades e associações de classe.

Outra novidade deste edital é a criação de um portal para disponibilizar os perfis dos artistas na rede, para contratação de shows, inscrições em editais e interação com as redes sociais. O catálogo produzido em 2010 vai ser reimpresso com informações detalhadas sobre os músicos mineiros.

Também está prevista para este ano a criação de um edital específico de participação em feiras, que levará a representação da música mineira às principais feiras e eventos de música. Esta representação será formada por artistas, produtores, jornalistas e outros membros das entidades participantes do Fórum da Música de Minas.

Fórum

O Fórum da Música é composto por seis entidades que representam a música e os músicos mineiros: Associação Artística dos Músicos de Minas Gerais (Ammig); Associação dos Amigos do Museu Clube da Esquina (AAMUCE); Circuito Mineiro de Música Independente (CMMI); Cooperativa da Música de Minas (Comum); Sociedade Independente da Música (SIM).

O Fórum foi criado para catalisar e promover o diálogo entre o poder público, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, e a classe musical mineira. Com o Programa Música Minas, a SEC-MG prevê o posicionamento da música produzida em Minas Gerais em lugar expressivo no mercado estadual, nacional e internacional, mostrando sua diversificada e rica produção, escoando seus produtos e formando público para seus artistas.

Entre os projetos e articulações do Fórum da Música, estão o Edital de Intercâmbio Cultural, que viabiliza as passagens aéreas para artistas que tiverem convites de festivais e eventos nacionais e internacionais de expressividade e a produção de catálogos setoriais, divididos por gêneros, e um de produtores e programadores de festivais, que visa abrir as portas de Minas Gerais para receber artistas de fora.

Números

O Governo de Minas investiu cerca de R$ 4 milhões nas três edições do Programa Música Minas. Em 2009 e 2010, pelo Edital de Circulação, 35 artistas/grupos realizaram shows em cidades brasileiras e argentinas. Para 2011, o investimento no programa é de mais de R$ 1 milhão. Entre artistas e público das apresentações e dos painéis que serão realizados ao longo do ano, estima-se que 15 mil pessoas serão beneficiadas, diretamente, pelas ações do Programa Música Minas 2011.

Política Pública de Cultura

O plano de Política Pública de Cultura do Governo de Minas é construído sobre três pilares: o social, o humano e o econômico. As ações têm por objetivo desenvolver a identidade, a diversidade e o patrimônio cultural; funcionar como ferramenta de inclusão e também gerar emprego e renda.

Além do Programa Música Minas, incluem o plano de Política Pública para Música: o Programa de Apoio às Bandas Civis de Minas Gerais, o Programa de Música Erudita, que oferece, entre outras atividades, apresentações da Orquestra Sinfônica e da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, óperas e concertos, e também o Programa de Formação e Estímulo a Jovens Talentos.

Para que tais metas sejam alcançadas, foram traçadas diretrizes que envolvem todas as áreas da Secretaria de Estado de Cultura, com foco, principalmente, nas ações desenvolvidas no interior de Minas Gerais. As principais diretrizes são: Democratização do acesso à Cultura e também à expressão, produção, circulação e distribuição Cultural; Fortalecimento da Gestão do Sistema Estadual de Cultura; Interiorização Regionalizada da Cultura. Experimentação, Excelência Artística e Internacionalização; Mercado Cultural, formação profissional e geração de emprego e renda e ainda Fortalecimento da Política de Patrimônio Cultural.

Eliane Parreiras é escolhida vice-presidente da região Sudeste do Fórum Nacional

Acompanhados pela secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, os participantes do 25º Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura conheceram Ouro Preto nesse sábado (26), e discutiram o papel das Organizações Sociais (OS) e das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). No primeiro dia do encontro, realizado em Belo Horizonte, Eliane Parreiras foi eleita vice-presidente do Fórum pela região Sudeste, entidade presidida por Eloisa Galdino, secretária de Estado de Cultura de Sergipe.

Durante a reunião realizada na Fundação de Artes de Ouro Preto (Faop), houve a apresentação dos projetos do Instituto de Arte e Cultura do Ceará, feita pela secretária de Cultura do Ceará, Maninha Morais, que explicou como é a participação das OS no setor cultural de seu Estado. Em seguida, falaram os representantes do Pará, Paulo Roberto Chaves, e de São Paulo, Carla Almeida.

A secretária de Cultura de Minas, Eliane Parreiras, falou sobre o modelo adotado no Estado, de trabalho conjunto entre o Governo de Minas e as Oscips. “É um processo que ainda está avançando e é complexo”, destacou. Eliane também propôs a criação de um grupo de trabalho para estudar as questões mais técnicas relativas ao tema. Os participantes do Fórum aprovaram a ideia e o grupo deverá ser constituído em breve.

Em seguida, os participantes seguiram para a Casa da Ópera de Ouro Preto, onde foram recepcionados pelo prefeito Ângelo Osvaldo. Eles também conheceram o Museu do Oratório e o Museu Casa Guignard.

 

Museu Guimarães Rosa celebra 37 anos no dia 30 de março

Criado em 1974, o Museu Casa Guimarães Rosa completa 37 anos no próximo dia 30 de março. Vinculada à Superintendência de Museus e Artes Visuais daSecretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais (SEC-MG), a instituição nasceu entre dois fatos distintos, fundamentais para sua inauguração: o primeiro foi o inesperado falecimento do poeta, em 19 de novembro de 1967, três dias após tomar posse na Academia Brasileira de Letras. Intelectuais e amigos se uniram para homenageá-lo e também para preservar a casa onde nascera e passara a infância no interior mineiro. O segundo fato trata-se da criação do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG), em 30 de setembro de 1971, que materializava o sonho de preservar o patrimônio do Estado.

Concebido como centro de referência da vida e obra de Guimarães e como núcleo de informações, estudos, pesquisa e lazer, o museu prioriza, em seus trabalhos, a comunidade de Cordisburgo e cidades vizinhas, desenvolvendo, ao longo de todo ano, uma série de ações educativas.

Oficinas

Para celebrar o aniversário do museu foram preparadas duas oficinas que acontecem no dia 30 de março.

Na oficina, “Trajetórias de Guimarães Rosa”, um painel cronológico a partir de leituras de documentos das trajetórias de autor será construído por alunos do quinto ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Mestre Candinho, em Cordisburgo. O encontro será na própria escola, das 8h às 11h.

A outra oficina será feita com o Grupo de Contadores de Estórias Miguilim, que participa de uma série de atividades para capacitação de jovens que farão atendimento ao público visitante. Fundado em 1995, o grupo tem o propósito de divulgar a obra do escritor e, ao mesmo tempo, enriquecer a visita ao museu com narrações de trechos da obra do escritor. O léxico de Guimarães Rosa será o tema do trabalho, que acontece  das 14h às 17h, na Associação dos Amigos do Museu Casa Guimarães Rosa. O objetivo é trabalhar o vocabulário utilizado pelo escritor em suas obras, o que contribuirá para o entendimento de sua linguagem, além de auxiliar os interessados na compreensão do diferencial do escritor para a Literatura Brasileira.

Visitas

O Museu Casa Guimarães Rosa fica aberto, de terça a domingo, das 9h às 17h. O valor do ingresso é de R$ 2,00. As visitas podem ser agendadas pelo telefone (31) 3715-1425. Alunos de escolas públicas (municipais e estaduais) são isentas de pagamento da taxa de visitação. Também é possível conhecer o Museu pela internet através do endereço www.eravirtual.org.

Pelo portal o internauta pode conhecer virtualmente outros museus mineiros e brasileiros. De Minas Gerais, já podem ser visitados o Museu do Oratório e o Museu Casa Guignard, em Ouro Preto, e a Casa Fiat de Cultura e o Museu de Artes e Ofícios, em Belo Horizonte. Em breve, estarão disponíveis visitas ao Museu de Ciências Naturais da PUC Minas e Museu Histórico Abílio Barreto, em Belo Horizonte.

 

Domingo é dia de visitação no Palácio da Liberdade

Mais uma vez dezenas de pessoas aproveitaram a manhã ensolarada de domingo para visitar um espaço marcante de Belo Horizonte: o Palácio da Liberdade. Inácia Lobão, instrutora de ioga, fez questão de voltar ao prédio para rever, de perto, a riqueza de detalhes da arquitetura do local que abrigou o Governo de Minas Gerais por décadas. “A primeira vez que estive aqui, eu era criança, e vim para participar de uma festa com minha vizinha, que era neta de Bias Fortes”, relata emocionada.

Como Inácia, várias famílias, casais de namorados, grupos de terceira idade e de jovens fazem fila para, no último domingo do mês, acompanhar a cerimônia de hasteamento de bandeiras e troca de guarda, em frente ao Palácio. Logo após, grupos formados por 15 pessoas fizeram o roteiro definido por técnicos do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG) e conheceram 30 cômodos do prédio projetado pelo engenheiro-arquiteto José de Magalhães.

A dona de casa Luciana Riquette, que acompanhava um grupo de terceira idade, esteve pela primeira vez no Palácio e se disse encantada pela beleza dos espaços e do mobiliário. “É uma oportunidade para ver raridades que só vemos em filmes. E as pessoas, às vezes tão próximas, nem sabem que podem estar aqui”, completa. Desde que foi reaberto para visitação, em agosto de 2010, mais de 8 mil pessoas participaram das visitas guiadas ao Palácio da Liberdade, um dos equipamentos do Circuito Cultural Praça da Liberdade. O prédio é aberto todos os domingos, das 9h às 13h.

Com a transferência do gabinete do governador para o Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, surgem novos horários de visitação para grupos de estudantes. O agendamento para escolas pode ser feito pelo telefone (31) 3217-9543. “A preocupação do governo é garantir que os equipamentos do Circuito Cultural Praça da Liberdade estejam realmente disponíveis para a visitação pública”, destaca Lucília Peres, da equipe de curadoria do Palácio da Liberdade.

O visitante deverá obedecer algumas normas como apresentar documento de identidade na entrada e depositar pertences pessoais nos guarda-volumes. Durante a visita, é proibido o consumo de bebidas, lanches, uso de calçados de salto agulha, filmadoras ou máquinas fotográficas no interior do prédio. Informações pelo e-mailadministracaodepalacios@governo.mg.gov.br.

Troca de guarda é atração à parte

A troca de guarda, realizada pela Polícia Militar de Minas Gerais, responsável pela segurança do Complexo de Palácios (Liberdade e Despachos), foi iniciada em 1984, uma adaptação da cerimônia realizada na visita ao Palácio de Buckingham, em Londres, onde o mesmo tipo de evento é atração turística. A cerimônia contou com apresentação da Banda da Polícia Militar.

Antes de iniciar a troca, a banda se dirigiu aos jardins do Palácio da Liberdade. O efetivo que assume a guarda marcha à frente do que está deixando o serviço realizado nas últimas 24 horas.

Após a execução do Hino Nacional, foi realizada a troca da guarda propriamente dita: os oficiais e os sargentos de cada regimento se encontram no centro e trocam os postos. Os policiais em serviço no dia assumem a guarda do Palácio e a guarda que sai retira-se marchando. A cerimônia durou em média 25 minutos e seu ponto alto foi a evolução dos pelotões no momento da retirada do pátio de entrada do Palácio.

Durante a cerimônia, é sempre feita uma homenagem: seja a algum segmento da sociedade que tenha data comemorativa naquele mês ou a duas pessoas, escolhidas para hastear as bandeiras do Brasil e de Minas Gerais. Em comemoração ao Dia Mundial da Água (22 de março), nesse domingo foi entregue aos visitantes um material educativo da Copasa, como marcadores de livro e botons adesivos. A ação faz parte da Campanha Água da Gente (www.aguadagente.com.br), que tem apoio do Governo de Minas.

A próxima troca de guarda será no terceiro domingo de abril (dia 17), em razão da comemoração da Semana Santa.