• novembro 2017
    S T Q Q S S D
    « set    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930  
  • Categoria

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

Manifestantes fazem faxinaço contra corrupção na Petrobras

Petrobras: Entre vassouras e baldes, para ‘limpar’ a empresa, os manifestantes carregavam cartazes pedindo o afastamento de Graça Foster.

Petrobras no limbo

Fonte: O Globo

Petrolão: ‘faxinaço’ vira protesto contra corrupção na Petrobras

Manifestações contra a crise na estatal pediram o afastamento de Graça Foster

Um grupo de cerca de 20 pessoas protestou na manhã dessa terça-feira em frente à sede da Petrobras, no Centro do Rio, contra a corrupção na estatal. A manifestação chamada “Faxinaço” aconteceu também em São Paulo. Entre vassouras e baldes, para ‘limpar’ a empresa, os manifestantes carregavam cartazes pedindo também o afastamento de Graça Foster da direção da Petrobras.

Pelos menos outras cinco cidades brasileiras haviam marcado protestos do mesmo tipo: São Sebastião, Belo Horizonte, Brasília, Vitória e Recife. A manifestação também estava prevista para acontecer em Houston, nos Estados Unidos.

— O objetivo não é reunir milhares de pessoas em uma passeata, é manifestar nossa indignação com o que vem acontecendo no nosso país com a nossa maior empresa — afirmou a estilista Adriana Baltazar.

Uma senhora de 69 anos, que não quis se identificar, afirmou que compareceu ao ato porque está “indignada”. Usando chapéu, óculos e brincos de pérolas, a idosa disse que não é a primeira vez que o grupo organiza protestos contra o atual governo. De acordo com ela, o primeiro ato aconteceu em 31 de julho de 2012, contra o mensalão, e desde então foram organizadas inúmeras manifestações do mesmo tipo.

— Estou indignada com o que está acontecendo no nosso país. Corrupção tem em qualquer lugar do mundo, mas ter um partido que se infiltra por todo o governo e coloca na principal empresa do país pessoas para roubarem, enquanto os serviços públicos são deficientes, (é inaceitável) — defende a aposentada, que não participou das manifestações de junho de 2013 porque estava viajando.

Durante o protesto, um grupo de turistas passou pelo local e foi informado sobre a reivindicação por uma das participantes do ato, que disse em inglês ‘A melhor empresa do Brasil’ e fez um sinal de negativo com as mãos. Militares da reserva também estiveram no ato.

EM SP, MANIFESTANTE USA MACACÃO DA ESTATAL

Cerca de 30 pessoas se reuniram nesta segunda-feira na Avenida Paulista, região central de São Paulo, para protestar contra a corrupção na Petrobras. Com baldes e vassouras, os manifestantes simularam um “faxinaço”. O ato simbólico de limpeza também estava marcado para acontecer no Rio de Janeiro, em Vitória, Recife, Brasília, São Sebastião (SP) e Houston (EUA).

Organizado pelas redes sociais por pessoas que se conheceram em manifestações contra a reeleição da presidente Dilma Rousseff, os participantes vestiam camisetas e adesivos com a marca de uma mão com quatro dedos suja de preto e carregavam cartazes em português e inglês para “chamar a atenção da mídia estrangeira”, conforme explicou um dos manifestantes.

O técnico de estabilidade de plataformas petrolíferas Márcio Camargo, 54 anos, disse ter trabalhado dez anos na Petrobras e estar indignado com a corrupção institucionalizada na estatal. Ele foi ao ato com o macacão da empresa e levou sua empregada doméstica, também vestida com o uniforme.

— Minha funcionária é do interior da Bahia e, mesmo na limitação dela, ela é bem inteligente e tem entendido o que está acontecendo. Eu a convidei para me ajudar a segurar a faixa e ela gostou da ideia — afirma Camargo.

Shirley Xavier, 31 anos, funcionária de Camargo, afirmou que essa foi a primeira manifestação da qual ela participa mas que, a partir de agora, pretende ir em outras.

— Eu resolvi que agora vou participar mais porque o Brasil está uma baixaria, é muita roubalheira. É na Petrobras, no metrô, na saúde. Acho que o PT é um partido muito corrupto — disse Shirley.

Camargo contou que estava na plataforma da bacia de Campos (RJ), quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou a produção de um milhão de barris de petróleo. Na época, disse, não ouvia tantas histórias de corrupção na estatal como agora.

— Essa questão do empresariado (de pagar propina) sempre existiu, mas nunca dessa maneira tão devastadora. Corrupção sempre teve, em todos os partidos, mas o PT institucionalizou a corrupção.

Em meio aos gritos de ordem como “Graça nem de graça” e “fora, Mantega”, o advogado Mauro Scheer, 34 anos, afirmou que falta uma gestão profissional da Petrobras.

— Minha motivação para estar aqui é fazer algo para mudar o Brasil porque se não mudarmos o Brasil, teremos que mudar do Brasil. A Graça (Foster, presidente da Petrobras) é técnica, mas toda a diretoria é política. É preciso nomear profissionais na empresa para acabar com essa corrupção endêmica e resgatar o orgulho do nosso país — afirmou o advogado, que fez questão de dizer que é contra a intervenção militar no país.

Anúncios

Dinheiro do Petrolão em conta do PT é grave, diz Aécio

Senador considerou gravíssima a denúncia de que dinheiro da corrupção na Petrobras abasteceu a conta oficial do PT na campanha de 2010.

Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Toyo Setal, disse que parte da propina paga ao ex-diretor da Petrobras Renato Duque foi destinada a doações oficiais feitas ao PT.

Fonte: PSDB

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) considerou gravíssima a denúncia, feita por um empresário no acordo de delação premiada da operação Lava-Jato da Polícia Federal, de que dinheiro da corrupção na Petrobras abasteceu a conta oficial do PT na campanha de 2010.

Segundo o executivo Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, da Toyo Setal, em depoimento à Polícia Federal, parte da propina paga ao ex-diretor da Petrobras Renato Duque foi destinada para doações oficiais feitas ao PT. O empresário afirma que doou R$ 4 milhões ao PT entre 2008 e 2011.

“Essa é a denúncia mais grave que surgiu até aqui.  O dirigente de uma das empresas que pagou suborno, segundo ele, ao diretor da Petrobras, recém solto pelo ministro Teori, diz que parte dessa propina foi depositada na campanha do PT em 2010”, disse Aécio Neves em entrevista à imprensa no Congresso Nacional.

De acordo com reportagens publicadas pela imprensa, nesta quarta-feira (03/12), além das doações oficiais, o dinheiro da propina da Petrobras chegava ao PT por meio de parcelas em dinheiro e em contas indicadas no exterior.

Para Aécio, as denúncias devem ser apuradas a fundo e reforçam as suspeitas de que o PT foi beneficiado por parte dos recursos desviados na Petrobras, pagos pelas empresas como propina.

“Se comprovadas essas denúncias, é algo extremamente grave. Estamos frente a um governo ilegítimo. Isso é a demonstração clara de aquilo que disse recentemente e a comprovação da verdade. Essa organização criminosa, que segundo a Polícia Federal se instalou no seio da Petrobras, participou da campanha eleitoral contra nós”, afirmou.

Homem flagrado em jatinho com R$ 116 mil atuou na campanha de Pimentel

Investigadores da PF confirmaram que o homem detido na noite de terça-feira após descer de um jatinho que trazia R$ 116 mil em espécie é Marcier Trombiere Moreira.

Marcier pediu exoneração do Ministério das Cidades no dia 8 de julho deste ano para atuar na campanha do candidato eleito ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT).

Fonte: O Globo

Ex-servidor das Cidades detido pela PF em jato com dinheiro atuava na campanha de Pimentel

Polícia apreendeu R$ 114 mil em espécie que estavam em poder de três pessoas

Investigadores da Polícia Federal confirmaram que o homem detido na noite de terça-feira após descer de um jatinho que trazia R$ 116 mil em espécie é Marcier Trombiere Moreira, que pediu exoneração do Ministério das Cidades no dia 8 de julho deste ano. Marcier deixou o cargo para atuar na campanha do candidato eleito ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT). Ele é servidor de carreira do Banco do Brasil e já trabalhou no Ministério da Saúde. Foi trabalhar no Ministério da Cidades na gestão de Mário Negromonte (PP).

Marcier levava R$ 4 mil quando foi flagrado pelos agentes. Os outros dois homens estavam com o restante do dinheiro. Os três foram levados para prestar depoimento na Superintendência da PF. Marcier atuava na área de comunicação da campanha de Fernando Pimentel.

Ministério das Cidades confirmou, por meio de nota, que o servidor pediu exoneração do cargo há três meses. Ontem, policiais federais envolvidos na operação haviam informado que um dos três homens detidos para prestar depoimento seria um assessor do ministro.

“A pessoa identificada como passageiro de um jatinho abordado pela Polícia Federal na noite de terça-feira, em Brasília, foi exonerada há três meses do Ministério das Cidades, a pedido. Portanto, não pertence ao quadro de funcionários deste ministério. Qualquer atitude desta pessoa tem cunho e caráter pessoal sem nenhum vínculo com o Ministério das Cidades“, diz a nota.

Polícia Federal fez apreensão por volta das 19h30 de terça-feira no aeroporto internacional de Brasília. O avião estava vindo de Belo Horizonte. A PF abriu inquérito para apurar a origem do dinheiro.

Marina Silva utilizou 10 vezes jato que matou Campos

Velha política: as viagens da candidata podem atrapalhar estratégia do PSB, que busca desvinculá-la formalmente da aeronave.

Eleições 2014

Fonte: O Globo 

Marina voou 10 vezes em jato que caiu em Santos e matou Campos

Partido tenta desvincular candidata da aeronave, cuja compra é investigada pela PF

candidata à Presidência Marina Silva (PSB) voou dez vezes na aeronave Cessna PR-AFA, cuja doação à campanha é investigada pela Polícia Federal. O GLOBO teve acesso a registros de pousos e decolagens do jato no período em que esteve à disposição da candidatura de Eduardo Campos e Marina. As viagens da candidata podem atrapalhar a estratégia do PSB, que, desde o início das investigações, busca desvinculá-la formalmente da aeronave.

Especialistas em Direito Eleitoral argumentam que eventuais irregularidades podem atingi-la, apesar da morte de Campos. A coordenação jurídica da campanha discorda. A lista de viagens de Marina foi obtida a partir do cruzamento dos compromissos oficiais da candidata com voos realizados e dados fornecidos pela própria campanha do PSB.

PF investiga a compra do jato e também o pagamento de despesas operacionais, quando ela já estava sendo utilizada. Esses gastos foram pagos por uma empresa de fachada.

Em vez de declarar a doação nas prestações de contas parciais, como determina a legislação, o PSB deixou para declarar apenas em novembro, o que também contraria a lei.

Marina usou o jato pela primeira vez no fim de maio, para participar, em Goiânia (GO), de seminário do partido. Em junho, voou quatro vezes, passando por Goiânia, Brasília, Maringá e Londrina. No fim de julho, participou de ato em Vitória (ES). Em agosto, voou outras quatro vezes, ao Rio, a Brasília e a São Paulo. O jato caiu em 13 de agosto, matandoCampos e seis assessores.

Segundo o PSB, o avião havia sido emprestado pelos empresários João Carlos Lyra e Apolo Santana Vieira. As despesas operacionais também seriam pagas por eles. Para a doação ser legal, o valor não poderá ultrapassar 10% do rendimento declarado dos dois em 2013.

PARA ESPECIALISTA, CHAPA É ‘ÚNICA E INDIVISÍVEL’

Especialista em Direito Eleitoral, o advogado Arthur Rollo lembra que o registro de candidaturas ocorre em “chapa única e indivisível”.

— A Marina era vice quando o avião caiu. Qualquer problema com a cabeça da chapa também afeta o vice. Se houver processo, não será contra a chapa atual, mas a anterior.

O coordenador jurídico da campanha de Marina, Ricardo Penteado, discorda. Para ele, mesmo usando o jato, Marina não pode ser responsabilizada.

— O avião estava emprestado para o Eduardo, não para a Marina. Se eu pegar um táxi no aeroporto e te der uma carona até a cidade, o que você terá a ver com minha relação com o taxista? — questiona.

Presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB, Norberto Campelo diz que o desconhecimento de Marina sobre a doação poderá “eximi-la de responsabilidade”. Mas, para ele, no contexto da análise da prestação de contas de Campos, candidatos são corresponsáveis.

— Se constatada irregularidade, ela e o partido respondem.

Operação Esopo: Aécio cobra explicações de fraudes no Ministério do Trabalho

Aécio: “É mais um problema da política brasileira e tem que ser investigado. Cabe ao governo federal dar respostas”, defendeu.

Operação Esopo: faltam respostas do governo Dilma

Operação Esopo: Aécio cobra explicações de fraudes

Operação Esopo: o senador Aécio Neves cobrou do governo Federal respostas convicentes sobre escândalo no Ministério do TrabalhoFoto: Alessandro Carvalho

Fonte: O Globo 

Aécio cobra explicações do governo sobre fraudes no Ministério do Trabalho

Senador pediu investigação e punição aos responsáveis por desvios

senador Aécio Neves (PSDB) afirmou na noite desta segunda-feira, em Belo Horizonte, que o governo federal tem que dar uma resposta convincente sobre o escândalo no Ministério do Trabalho e Emprego.

Na última segunda-feira, a Polícia Federal (PF) deflagrou a operação Esopo contra fraudes em convênios da pasta. Quatro membros da cúpula do ministério do Trabalho estão entre os investigados. Três foram presos e um foi obrigado a prestar depoimento. Ligado ao ex-ministro Carlos Lupipresidente nacional do PDT, o grupo de servidores foi exonerado após a operação da PF.

— É muito preocupante, mais um problema da política brasileira e tem que ser investigado com profundidade. Cabe ao governo federal dar respostas. Todos os responsáveis devem ser punidos — defendeu.

De acordo com a PF, cerca de R$ 400 milhões em verbas do ministério do Trabalho foram parar no caixa da OSCIP Instituto Mundial de Desenvolvimento e Cidadania (IMDC). Com sede em BH, a entidade está no centro das investigações. Seu presidente, o empresário Deivson Oliveira Vidal, está cumprindo mandato de prisão preventiva de 90 dias, na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana da capital.

Aécio Neves comentou ainda a investigação da Esopo em contratos firmados entre o IMDC e o Instituto de Desenvolvimento do Norte de Minas Gerais (IDENE). Autarquia do governo mineiro, segundo a PF, recebeu R$ 38,1 milhões do ministério do Trabalho para implantar o Projovem Trabalhador. Sem licitação, o IMDC foi contratado pelo IDENEpara executar o programa em várias cidades do Norte de Minas, de 2007 a 2010.

— Não conheço (investigação no IDENE). Onde houver qualquer indício de irregularidade deve ser investigado independente a que governo pertence — destacou o senador.

Aécio reuniu aliados de Minas, na sede do PSDB de BH, no bairro Barro Preto. Sobre eleição presidencial, o tucano evitou falar. Ele disse que o nome para suceder o governador do seu estado, Antonio Anastasia, pode ser de fora do PSDB, mas não quis apontar ninguém. Sobre o palanque tucano em outros estados, o senador falou sobre a possibilidade de composição com o PR.

— No Rio o cenário está absolutamente aberto, temos alternativas que serão testadas e não fechamos as portas para ninguém.

Leia mais:

Operação Esopo: mulher de ministro ligada a irregularidades

Presidente do IMDC: de office-boy a dono de organização

Esopo: empresas fantasmas em MG foram beneficiadas

Operação Esopo: os aliados em torno do mal feito

Rogério Correia e a fraude da Lista de Furnas. De novo!

Mentiras do PT, farsa, fraude – Não dá sequer pra confundir o que é doação com o que é convênio

Fonte: Turma do Chapeú

Rogério Correia e a fraude da Lista de Furnas. De novo!

Nilton Monteiro e Rogério Correia, na Veja

Nilton Monteiro e Rogério Correia, na Veja: quanto mais mexe, pior fica

Ou o silêncio de pedra sobre o que realmente interessa!

Hoje faz 24 dias que a revista Veja publicou as gravações feitas pela Polícia Federal e que pegaram o flagrante das conversas telefônicas entre o deputado Rogério Correia, seu assessor e o falsário Nilton Monteiro, combinando detalhes da fraude dos papéis conhecidos como a “Lista de Furnas”.

Até hoje, o deputado se recusa a dar uma explicação para a sociedade, para os seus eleitores, sobre o que ele fazia no telefone e o que significavam as suas conversas.

Encurralado pela descoberta da polícia, o deputado ao mesmo tempo que faz silêncio sobre fatos tão graves e inegáveis, inicia um esforço para  tentar voltar a confundir a opinião publica sobe o assunto.

Esse esforço patético conta com o apoio do amigo Antônio Júlio, que trouxe à tona uma versão absolutamente fantasiosa sobre a Lista de Furnas.

Confundindo alhos com bugalhos, o deputado encontrou uma forma no mínimo criativa de tentar legitimar a tal lista, na linha do  Mandrake: “meu nome tá lá, eu não recebi…, mas a lista é verdadeira”.

Veja o esforço do deputado que tenta confundir uma doação absolutamente regular, aprovada em ata pública da empresa Furnas Centrais Elétricas para um hospital do interior de Minas com a relação de políticos que supostamente teriam recebido dinheiro em espécie do caixa dois de empresas fornecedoras de Furnas.

As duas situações são completamente antagônicas – a única coincidência é que o valor nas duas é o mesmo – e mostram o esforço em tentar forjar um paralelo que só revela o desespero do deputado Rogério Correia.

Veja todas as diferenças e nenhuma semelhança entre a doação feita por Furnas a um hospital com os papéis que relacionariam doações de Caixa Dois para políticos:

A doação

  • Ao contrário do que o deputado Antônio Júlio afirma, e pode ser facilmente comprovado, na época em que a doação foi pedida e aprovada pela empresa ao hospital, Dimas Toledo não era presidente da empresa.
  • O pedido encaminhado à reunião da diretoria da estatal e que aprovou a doação sequer foi encaminhado por ele, mas por outro diretor. Ou seja, o Dimas Toledo não tem rigorosamente nada a ver com isso. Só essa mentira já demonstra a má fé do deputado que, para tentar dar credibilidade a sua versão, envolve, do nada,  o nome dele numa situação com a qual ele não tem nada a ver
  • Veja outra mentira do deputado Antônio Julio. Em declaração que deu, o deputado falou que fez o pedido durante o período eleitoral, mas foi desmentido pela nota distribuída da estatal, que diz que o pedido é datado de 03 de janeiro de 2002, fora, portanto, do período eleitoral.
  • Ou seja, só essas duas mentiras já são suficientes para desmascarar a estória e mostrar que ela não para em pé.

Mas continuemos:

Trata-se de uma doação feita oficialmente pela empresa Furnas a uma entidade filantrópica, da mesma forma que foi feita a centenas de outras. Não dá sequer pra confundir o que é doação com o que é convênio. São coisas absolutamente distintas. Como na dá para confundir as regras de doações e convênios realizadas hoje com as existentes no período em questão.

A lista

Os papéis chamados Lista de Furnas são claros quando afirmam que:

  • Tratam-se de recursos não contabilizados, ou seja, saídos de um caixa dois, o que impediria qualquer doação registrada contabilmente como a doação feita ao hospital.
  • Os papéis falsificados da Lista afirmam que os recursos nunca saíram do caixa de Furnas, mas de empresas fornecedoras listadas por eles. Os recursos teriam sido repassados em dinheiro a um coordenador regional, que os teria entregue,  também em dinheiro, aos deputados.

Em suma, tentar confundir uma doação oficial, saída do caixa oficial de Furnas para um hospital, com uma suposta doação saída de empresas diferentes, em dinheiro vivo e, nessas condições entregues a políticos para campanha eleitoral é, no mínimo, passar  um recibo de muito desespero.

A pergunta é por que o deputado Rogério Correia está tão desesperado?

  • Será por que os boatos são verdadeiros e ele já sabe o que existem nas outras gravações feitas pelo Policia Federal e que a gente ainda não sabe?
  • Por que ao invés de fazer factóides que ofendem a inteligência das pessoas ele não explica cabalmente as conversas em que foi pego em flagrante? Por que está se escondendo para não dar explicações?

O deputado tenta sair da situação de acusado para de acusador, na linha de que o ataque é a melhor defesa, mas cada fala sua vai abrindo um novo flanco de suspeitas.

Ele diz agora que quer investigar Furnas só até o início de 2003.

  • Por quê? Se o diretor Dimas Toledo permaneceu na empresa até 2005, por que ele não quer investigar  Furnas no governo Lula? Por que ele não quer que o diretor indicado pelo PT de Minas, Rodrigo Botelho Campos, seja ouvido?

E mais, reconhecer que estatais atendem a pedidos de políticos, não é novidade alguma no país.

Se o deputado acha que isso é prova de irregularidade defendemos que sejam tornadas públicas todas as doações feitas não só por Furnas, mas pela EletrobrasPetrobras, BNDES, Banco do Brasil e Caixa, de 2003 pra cá.

Se a tese do deputado Rogério Correia de que atender a pedidos de rotina, regulares,  encaminhados por parlamentar, é prova  de malfeito, vamos investigar todos os que foram atendidos  da mesma forma nos últimos anos.

Pensando bem, é por essas e outras que o deputado Rogério Correia está tão isolado.

No mais, sabemos que a Justiça garante ao cidadão o direito de não prover prova contra si mesmo, mas não muda de assunto, não, deputado, explica os telefonemas!

Link da matéria: http://turmadochapeu.com.br/rogerio-correia-pt-lista-furnas-fraude/

Corrupção no governo federal:Valor de R$ 3,2 bilhões é o dobro do apurado em 2010 e 15 vezes o de 2009

Corrupção no governo federal, corrupção no Brasil

Fonte: Folha de S.Paulo

Valor de R$ 3,2 bilhões é o dobro do apurado em 2010 e 15 vezes o de 2009


Operações da Polícia Federal sustentam que dinheiro foi usado, por exemplo, para subornar servidores e políticos

Operações da Polícia Federal flagraram desvio de R$ 3,2 bilhões de recursos públicos em 2011, dinheiro que teria alimentado, por exemplo, o pagamentos de propina a funcionários públicos, empresários e políticos.

O valor é mais do que o dobro do apurado pela polícia em 2010 (R$ 1,5 bilhão) e 15 vezes o apontado em 2009 (R$ 219 milhões). A título de comparação, representa quase metade do dinheiro previsto para as obras de transposição do rio São Francisco.

O total de servidores públicos presos também aumentou: de 124, em 2010, para 225, no ano passado.

Os números, a que a Folha teve acesso, estão em um relatório produzido a partir apenas das operações. Segundo a PF, trata-se do valor provado nas investigações, que são repassadas para o Ministério Público tentar reaver o dinheiro.

Apesar de coincidir com o ano em que houve a chamada “faxina” no ministério de Dilma Rousseff, com a queda de seis ministros sob suspeitas de irregularidades, não há relação causal – as grandes operações decorrem de investigações mais antigas.

Para delegados de Polícia Fazendária, área que investiga os desvios de verbas, o aumento da comprovação do rombo deve-se à formação de equipes especializadas.

É o caso de Bahia, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Nas próximas semanas será criada unidade específica, em Brasília, de Repressão a Desvios de Verbas Públicas.

Também em 2011, a PF produziu seu primeiro manual de investigação de desvios de recursos, distribuído para as sedes estaduais.

“As técnicas de investigação têm sido aprimoradas. Afinal, crimes envolvendo verbas públicas ocorrem em áreas sensíveis para a sociedade”, diz o delegado Rodrigo Bastos, da Coordenação-Geral de Polícia Fazendária.

A PF realizou, em 2011, a maior apreensão de dinheiro da história das investigações no Brasil: o equivalente a R$ 13,7 milhões foi encontrado nas casas de auditores da Receita Federal em Osasco (SP).

Foi durante a Operação Paraíso Fiscal. O dinheiro estava em caixas de leite, fundos falsos de armário e em forros.

Em quatro meses, a PF flagrou um dos acusados comprando três carros de luxo à vista e em dinheiro vivo.

A partir da operação, o Ministério Público Federal denunciou oito auditores, acusados de selecionar empresas para fiscalização e exigir delas propina para engavetar ou relaxar a cobrança de débitos tributários. Eles negam.

Em outra operação, a Casa 101, a PF descobriu que, na região de Recife, quase todos os contratos entre Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) e construtoras eram fiscalizados por apenas um servidor.

Pagamentos eram liberados mesmo com fortes indícios de superfaturamento.

Resultado: em um contrato, a PF calculou prejuízo de R$ 67 milhões. Segundo a investigação, o servidor do Dnit recebeu um pedaço do butim.

Na Operação Saúde, do Rio Grande do Sul, 34 funcionários públicos municipais foram presos, acusados de desviar verbas federais destinadas à compra de medicamentos. Em um ano, o grupo teria movimentado um total de R$ 70 milhões.

Governo não sabe destino de R$ 700 mi de convênios

O governo federal não tem pistas do destino de R$ 700 milhões repassados para prefeituras por meio de convênios. As prestações de contas sobre o uso desse dinheiro deveriam ter sido apresentadas até 2011, mas não foram.

O valor se refere a 3.481 convênios assinados pelos ministérios da Saúde, Educação, Esporte, Transportes e Cidades com os municípios.

Os números foram levantados por uma força-tarefa do Ministério Público Federal.

Em 2011, procuradores da República apresentaram 80 denúncias à Justiça contra prefeitos que não justificaram o destino das verbas, 11 foram aceitas e 4, rejeitadas.

Até o ano passado, muitos prefeitos não apresentavam comprovação para o uso de dinheiro, que deveria financiar, por exemplo, construção de hospitais e escolas.

Apesar disso, eram raros os casos em que os administradores eram processados pelo crime de não prestação de contas, que tem pena de até três anos de prisão.

Em muitos casos, uma ação judicial só é iniciada após longos processos de tomada de contas. O resultado é a prescrição dos crimes ou a apresentação da denúncia depois que o prefeito já deixou o cargo.