• novembro 2017
    S T Q Q S S D
    « set    
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930  
  • Categoria

  • Mais Acessados

  • Arquivo

  • Twitter Blog Aécio Neves

Minas: gestão eficiente

Inovação, investimentos e gestão eficiente são as marcas do ensino superior em Minas Gerais

Minas Gerais: gestão eficiente

Fonte: Agência Minas

Enade atesta nível de excelência das universidades estaduais; gestores e estudantes revelam estratégias que levaram Minas ao reconhecimento nacional

Inovação, flexibilidade para se adaptar às novas exigências do mercado, gestão compartilhada com professores e alunos, investimento em capital humano e em novas tecnologias. Esses são alguns dos diferenciais que levaram a Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e a Escola de Governo Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), a conquistarem a nota máxima entre os indicadores de qualidade do ensino superior no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade).

Todos os anos, o Ministério da Educação avalia um grupo de cursos de acordo com a área de conhecimento, por meio do Enade. A cada três anos, uma mesma graduação é avaliada. As instituições são classificadas conforme os resultados do exame aplicado aos estudantes, que também leva em consideração corpo docente e infraestrutura da instituição. De acordo com o indicador, hoje, as escolas estaduais de ensino superior de Minas Gerais figuram entre as melhores do país. Os dados divulgados na última segunda-feira (7) referem-se a 2012.

Para chegar a esse nível de excelência, cada universidade investe em uma estratégia de sucesso. O pró-reitor de Ensino da Unimontes, João Felício Rodrigues Neto, afirma que três aspectos foram fundamentais para que a instituição chegasse a esse patamar e conquistasse as notas máximas (5 e 4) em todos os seus cursos avaliados: Administração (5), Direito (5), Ciências Contábeis (4) e Ciências Econômicas (4).

Neto explica que o caminho foi longo. O ponto de partida foi vencer a barreira regional, uma vez que a universidade está situada no Norte de Minas, região com considerável nível de carências. “A busca por soluções para os problemas da região acabou incentivando o desenvolvimento humano, o que tem sido essencial para manter a qualidade dos serviços prestados”, explica.

O segundo ponto destacado pelo pró-reitor da Unimontes é o nível dos alunos que estudam na instituição. “Por sermos uma universidade pública, acabamos atraindo bons estudantes que, depois, são avaliados pelo Enade”, assinala. Mas é a união da equipe de gestão com professores e alunos que Neto aponta como o principal motivo para que a universidade mantenha o elevado padrão de ensino. “Essa interação resulta em soluções criativas e inovadoras, diferencial importante para a conquista de bons resultados”, avalia.

Inovação mineira

Inovar, propor novos modelos, colocar em pauta a questão da contemporaneidade, ir além. Esta é a receita de sucesso da Uemg, que também obteve nota máxima entre os indicadores de qualidade do ensino superior avaliados pelo Enade, afirma o reitor da instituição, Dijon Moraes Júnior. Três cursos da Uemg obtiveram nota 5, enquanto outros cinco ficaram com a nota 4.

Segundo o reitor, inovação sempre foi a marca da Uemg. “Durante muitos anos, fomos a única universidade de Minas a oferecer o curso de Design”, lembra. Para ele, por ser uma instituição jovem, a Uemg consegue oferecer cursos que colocam em pauta questões contemporâneas, o que é um diferencial significativo.

Dijon de Moraes revela que um dos planos da universidade é implantar novos cursos no campus de João Monlevade, que concentra as faculdades de Engenharia. “Diferentemente da maioria das instituições de ensino, nosso objetivo não é oferecer modelos tradicionais, mas dar ênfase, por exemplo, em temas atuais como meio ambiente e sustentabilidade”, explica.

Destaque nacional

O curso de graduação em Administração Pública (CSAP) da Escola de Governo (EG) da Fundação João Pinheiro (FJP) está classificado em terceiro lugar entre as 1.540 graduações em administração avaliadas na edição 2012 do Enade. O CSAP conquistou também o 17º lugar geral entre os 6.195 cursos oferecidos pelas instituições brasileiras de educação superior nas áreas de humanas e ciências sociais aplicadas à gestão e negócios.

Único curso universitário do país orientado para a formação de Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG), carreira específica do poder executivo de Minas Gerais, o CSAP é estratégico para a modernização do serviço público estadual, formando profissionais que irão atuar nas áreas de gestão governamental e de formulação, implementação e avaliação de políticas públicas.

Para a diretora-geral da Escola de Governo, Luciana Raso, a continuidade da excelência do curso é fruto do trabalho incansável de toda equipe da unidade. “O diferencial na formação do aluno do CSAP é o tripé ensino, pesquisa e extensão, que é marca da nossa instituição e corrobora para o ideal de seus fundadores. Com uma grade curricular interdisciplinar, o EPPGG tem uma visão sistêmica e é capaz não apenas de reproduzir tarefas burocráticas, mas de se tornar um agente público diferenciado”, afirma.

De acordo com a coordenadora do curso, Maria Isabel Araújo, o resultado obtido no Enade é mérito do corpo técnico, docente e discente da Escola de Governo. “Escolhidos com muito critério pelo seu conhecimento, didática e titulação, os professores foram fundamentais para o sucesso alcançado. O desempenho dos alunos e sua integração com a instituição possibilitam a construção e aplicação de práticas pedagógicas inovadoras, que contribuem para uma formação de alto nível”, observa.

Segundo Lucas Franco, estudante do quinto período do curso de Administração Pública da Escola de Governo, a classificação é um estímulo por confirmar a excelência do curso e dos alunos. “Este resultado atesta a capacidade dos gestores formados na EG, que integram o quadro de servidores do Estado ao concluírem a graduação”, explica Lucas Franco.

Anúncios

Governo de Minas cria o Museu da Cachaça

Gestão Anastasia: Governo de Minas e Prefeitura de Salinas inauguram o Museu da Cachaça

Museu está instalado em um terreno de 13.120m², entre área construída, área expositiva, espaço de convivência e espaços administrativos

Wellington Pedro/Imprensa MG
imagem.title
Museu mostra a cachaça artesanal em seu aspecto produtivo e sociocultural

Divulgação/Secretaria de Cultura
Museu da Cachaça mostra uma visão antropológica e sociocultural da bebida tipicamente mineira
Museu da Cachaça mostra uma visão antropológica e sociocultural da bebida tipicamente mineira

O Governo de Minas e a Prefeitura de Salinas inauguram nesta quinta-feira (20), às 10h, na cidade de Salinas, Norte de Minas, um novo espaço cultural. Trata-se do Museu da Cachaça, cuja implantação irá oferecer à população um equipamento cultural completo. Os ambientes foram criados com base em dois conceitos. O primeiro é o socioeconômico, no qual a cachaça artesanal está retratada em aspectos de produção, circulação e consumo, gerando uma visão antropológica do produto. O segundo é sociocultural, que mostra o significado da bebida como fruto do imaginário coletivo, unindo grupos sociais por meio de seu uso. O museu fica na avenida Antônio Carlos, nº 1.250 – Salinas / MG.

O Museu da Cachaça, inicialmente, será administrado pelaUnimontes, por meio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino Superior do Norte de Minas (Fadenor). Entre suas propostas de atuação estão a difusão do conhecimento sobre a produção da cachaça como bem patrimonial da comunidade local e do Estado, assim como a promoção e a preservação de todo o patrimônio da cadeia produtiva desse artigo genuinamente brasileiro.

Além disso, serão promovidas ações educativas para o público escolar e a comunidade em geral sobre o consumo responsável da bebida, os processos de produção e de circulação. Também o setor turístico será valorizado ao atrair público variado para a cidade: empresarial, pedagógico, cultural, local, regional, nacional e internacional.

Para a secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras, o potencial de Minas Gerais para produzir cachaça já é fato conhecido no país e no mundo. Historicamente, a cachaça é produto símbolo do Brasil e carrega em si histórias, folclores e cultura. “O Norte de Minas é uma das regiões que melhor representa a riqueza e a diversidade cultural do Estado, com a produção de manifestações artístico-culturais únicas, que servem inclusive como referência cultural da região, como o artesanato, a música, as artes visuais e a gastronomia”, aponta a secretária.

“Nesse sentido, o Museu da Cachaça terá o importante papel de atuar como polo cultural convergente do Norte do Estado, promovendo ações de preservação, valorização e democratização de acesso ao patrimônio cultural da região e servindo como ponto de encontro e de disseminação da produção cultural local. Ele terá, ainda, o importante papel de referência da rica gastronomia do Norte de Minas, com ênfase na cachaça”, observa Eliane.

Orgulho regional

Tendo como base a concepção moderna dos museus estruturados como veículos de afirmação cultural, o Museu da Cachaça valoriza o símbolo e o orgulho da região. O setor gera cerca de 240 mil empregos no Estado, sendo que a maior parte da produção mineira se concentra nas regiões Norte e nos Vales do Jequitinhonha e do Rio Doce.

Para o prefeito de Salinas, José Antônio Prates, o Museu da Cachaça vem completar um ciclo, talvez o mais lúcido e significativo, de reconhecimento e expressão da identidade local, uma vez que valoriza a alma criativa de Salinas na vasta diversidade dos municípios brasileiros.

“Do ponto de vista da nossa economia, o Museu vem completar e compor, de forma singular, um conjunto de equipamentos turísticos, cujo combustível foi e será a engenhosa capacidade do povo de Salinas de criar um produto reconhecido e desejado em todo o Brasil e em diversos países. Além disso, o prédio onde o Museu está instalado é uma obra arquitetônica belíssima, audaciosa, que enobrece o conjunto de nossa cidade, verdadeiro paradigma que nos destaca em um patamar elevado no conceito das cidades brasileiras”, diz o prefeito.

Novidade do Museu da Cachaça

O projeto do Museu da Cachaça traz como novidade a implantação do ‘Núcleo de Imagem Projetada’ (NIP), que pretende ser um local de introdução formativa na tecnologia digital para jovens e adultos.

Segundo o Superintendente de Museus e Artes Visuais da Secretaria de Estado de Cultura, Léo Bahia, a produção multimídia gerada em oficinas, que devem problematizar os conceitos em torno da cachaça, deverá ser transformada em conteúdo de exposição de forma que a população tenha o espaço do museu como um ponto de referência para a discussão da vida cotidiana em torno do produto que gera o reconhecimento internacional da cidade.

O museu também poderá ser usado para rodadas de negócios, festivais, exposições e ações formativas com as escolas e com as comunidades.

Os espaços do Museu da Cachaça

Situado no Norte de Minas Gerais, o Museu da Cachaça nasce como o mais importante aparelho cultural da região. Não se trata apenas de um museu, mas de um grande centro cultural e de convivência.

O espaço está instalado em um terreno de 13.120m², sendo 2.200 m² de área construída, 1.250m² de área expositiva, 2.500m² de espaço de convivência e 950m² de espaços administrativos. A proposta museológica está distribuída entre as nove salas – Hall de Entrada, Sala dos Canaviais, Sala das Garrafas, Sala do Engenho, Sala do Moinho, Sala do Aroma, Sala Multiuso, Sala de Terra Batida, Sala de Depoimentos.

A arquiteta Jô Vasconcellos, responsável pelo projeto do Museu da Cachaça, teve ajuda de museógrafos para pensar o espaço, elaborado com base nas características do acervo do museu e da cidade de Salinas.

“Pela primeira vez elaborei um projeto que reunisse a arquitetura e a museologia, pois contei com a colaboração de profissionais atuantes na área de museus. Juntos, tomamos o cuidado de projetar a tipologia e tecnologia do Museu da Cachaça levando em consideração as peculiaridades locais, como o clima quente, elaborei também um espaço dedicado à degustação de cachaças. A edificação aliada à museografia contempla em suas salas todo o ciclo histórico, produtivo e distributivo da bebida. Outro objetivo foi o de criar um espaço que fosse um referencial de urbanidade na cidade, com preocupação educativa e social, como por exemplo, a praça aberta utilizada para o ensino de trabalhos manuais a crianças”, explica a arquiteta.

A terra da cachaça

O município de Salinas é conhecido como centro na produção da melhor cachaça do mundo. A bebida começou a ser produzida no município com a chegada dos primeiros fazendeiros à região, vindos para exercer a atividade da pecuária. Elaborada sob alto padrão de qualidade, em pequena escala de produção desde 1946, por Anísio Santiago (1912-2002) a marca Havana consolidou Salinas como a “terra da cachaça”.

A cana utilizada para fabricação da Havana é a Java, plantada em pequenos talhões. Alguns deles têm a mesma idade do início da atividade na fazenda onde se produz a Havana, o que significa que há mais de 50 anos eles não sofrem modificação genética. Portanto, o manejo deve ser por metodologia rigorosa no que se refere à qualidade, cumprindo determinações do dono da marca, Anísio Santiago. Em 10 de julho de 2006, a Havana foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial de Salinas, por meio do decreto número 3.728.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-e-prefeitura-de-salinas-inauguram-o-museu-da-cachaca/

Com 13,6 mil inscritos, Poupança Jovem muda realidade de estudantes em Montes Claros

Gestão social, gestão eficiente,

Fonte: Agência Minas

Com 13,6 mil inscritos, Poupança Jovem muda realidade de estudantes em Montes Claros

O incremento das atividades do Programa Poupança Jovem foi um dos destaques da atuação da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) em 2011. A iniciativa do Governo de Minas passou a ser coordenada pela Unimontes em fevereiro, com o convênio firmado junto à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). São atendidos 13,6 mil alunos no município, matriculados em 38 escolas estaduais de ensino médio, localizadas na área urbana e na zona rural. Elas estão divididas em 10 polos regionalizados.

O Poupança Jovem é destinado a estudantes do ensino médio público estadual que residem em locais com alto índice de evasão escolar, violência ou baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). De acordo com as normas estabelecidas, para cada ano letivo concluído, o estudante recebe benefício de R$ 1 mil. Ao final de três anos, o Governo de Minas deposita R$ 3 mil na conta do estudante. Só terá direito ao recurso o aluno que concluir regulamente o ensino médio e cumprir as metas e obrigações determinadas pelo programa.

“Podemos destacar como um dos principais resultados do programa, a queda do percentual de evasão escolar e o impacto positivo na vida dos alunos”, afirma a coordenadora do Poupança Jovem no âmbito da Unimontes, Kelly Cristina Alencar Soares Baldez. “Verificamos que, quando o aluno adere ao Poupança Jovem, ele passa por uma mudança comportamental. Esse foi um ponto primordial no trabalho realizado”, avalia.

Uma das primeiras ações desenvolvidas pela equipe da Unimontes foi o trabalho de dois meses nas escolas para aumentar a adesão dos estudantes do ensino médio. Isso fez com que 4,7 mil alunos se tornassem parte do programa, atingindo a meta da instituição, de beneficiar 13,6 mil inscritos em Montes Claros.

Ainda na fase inicial das atividades, foi realizado um treinamento para os 124 profissionais envolvidos no programa, incluindo educadores, assistentes sociais, psicólogos, professores de inglês, dinamizadores culturais e outros mobilizadores, juntamente com os professores-referência das escolas estaduais beneficiadas.

Durante a capacitação, foi repassada a orientação sobre os principais temas abordados junto aos alunos, reforçando o princípio de cidadania. Entre outros assuntos, foram relacionados ética, cidadania, prevenção das drogas, sexo seguro, empreendedorismo, carreira profissional e combate ao bullying.

Ao longo do ano, os temas voltados para a formação da cidadania foram discutidos durante os encontros do “Giro Jovem”, promovidos em locais próximos às escolas ou nas comunidades onde moram os alunos. Seguindo as estratégias do programa, as orientações sobre os valores, direitos e deveres e outras questões importantes como a prevenção contra as drogas, a importância do sexo seguro e a cultura da paz foi repassada através de dinâmicas de grupo, palestras, bate papo, debates, encenações teatrais e shows. Todos os temas foram discutidos de forma lúdica, a partir do interesse dos adolescentes. Além disso, eles foram despertados para o trabalho social e voluntário junto à comunidade.

Dentro da proposta, são formados grupos de 25 alunos que, sempre acompanhados de um educador social, escolhem uma ação a ser realizada na comunidade onde estão inseridos. Durante o ano de 2011, eles atuaram em prol da melhoria das condições de vida, como a revitalização de uma praça no bairro Delfino Magalhães; campanhas do agasalho, de prevenção à dengue e de arrecadação de brinquedos para crianças carentes; bem como a mobilização para a ajuda ao Asilo São Vicente de Paulo – Betânia/Lar dos Velhinhos.

Incentivo e autoestima

As atividades do Poupança Jovem influenciaram positivamente a vida de Weslaine Cardoso da Silva, de 17 anos, uma das alunas inscritas no programa. “Aprendi a respeitar mais as pessoas, independente da forma que elas são. Posso dizer que o programa trouxe um novo olhar para minha vida”, afirma a estudante do 3° ano do ensino médio, da Escola Estadual Levi Durães Peres (bairro Santa Lúcia).

Ela destaca que, durante o “Giro Jovem”, adquiriu conhecimentos sobre como deve se comportar numa entrevista de emprego. “Além disso, passei a ter iniciativa para resolver meus próprios problemas”, acrescenta a aluna.

Outra beneficiada pelo programa em Montes Claros, que revela mudança de comportamento, é Stefani Moreira Aquino Toledo, de 16 anos, aluna do 2º ano na Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro. “Aprendi muito sobre ética e moral. Passei a ter uma consciência sobre a importância da cidadania”, diz.

A aluna ressalta que as discussões nas palestras e debates dos encontros do “Giro Jovem” ajudaram a chamar a atenção de outros jovens para a relevância da participação deles em projetos sociais. “Assim, estou contribuindo para uma sociedade melhor”, avalia Stefani, que mora no bairro Monte Carmelo.

Uma das atividades do Poupança Jovem é orientar os alunos para a inserção no mercado de trabalho. Através da parceria com uma grande empresa nacional, que instalou sua mais nova unidade num dos shoppings do município, o programa colheu bons resultados.

“Ela teve como uma de suas políticas sociais a disponibilização de vagas para jovens sem experiência, o que permitiu aos nossos educandos, colocarem à prova suas competências”, disse o professor Hadson Tolentino Barbosa, das turmas da 3ª série, na Escola Estadual Professor Plínio Ribeiro.

Como resultado prático, dez alunas cumpriram com êxito todas as quatro etapas do processo de seleção da empresa e foram oficialmente contratadas. Uma delas é deficiente auditiva. “O programa não possui nenhuma obrigação com a qualificação ou contratação dos jovens, mas incentiva o aprimoramento, identificando qualidades e deficiências para a busca por uma colocação no mercado profissional”, completa Hadson.

Cursos de inglês e empreendedorismo

Além do ensino convencional, os alunos inscritos no Poupança Jovem em Montes Claros participam de aulas de inglês, duas vezes por semana, nos polos regionais. As aulas acontecem sempre em horários fora do turno escolar, sendo ministradas por professores que atuam no programa.

Ao longo de 2011, também foi oferecido o curso de Introdução ao Empreendedorismo, através de parceria com o Centro Vocacional Tecnológico (CVT). Foram capacitados 302 alunos do ensino médio das escolas das regionais 2 (Antônio Canela, Professora Dulce Sarmento, Elói Pereira, João de Freitas Neto e Cristina Guimarães) e 6 (Professora Helena Prates, Hamilton Lopes, Benjamin Versiane e Filomeno Ribeiro).

Os alunos do 3° ano do ensino médio de três escolas (Alcides Carvalho, Professor Plínio Ribeiro e Francisco Lopes da Silva) tiveram ainda a oportunidade de conhecer os cursos profissionalizantes oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Eles visitaram a unidade do Senai em Montes Claros, dentro do projeto “Casa Aberta”.

Cultura da paz

A coordenação do Programa Poupança Jovem em Montes Claros também se preocupa com o combate à violência entre os jovens. Nesse sentido, foram desenvolvidas diversas atividades junto aos alunos, propagando a cultura da paz. O ponto alto  aconteceu no dia 21 de setembro (Dia Mundial da Paz). Na oportunidade, todos os pólos regionais realizaram trabalhos voltados para a questão.

Um deles foi uma manifestação em favor da paz, que contou com a participação de moradores dos bairros Santa Lúcia e Delfino Magalhães. A iniciativa envolveu aproximadamente 362 alunos das Escolas Estaduais Delfino Magalhães, Levi Durães Peres e Salvador Filpi.

Também foi realizada a campanha “Paz no Trânsito”, iniciativa dos alunos do 1° e do 2° anos do ensino médio do Colégio Tiradentes. Eles distribuíram materiais educativos para conscientizar motoristas sobre prudência, obediência à sinalização e cuidados para evitar acidentes.

Mestrado da Unimontes apresentará novos rumos da pesquisa em Ciências Biológicas

A interação com pesquisadores brasileiros está entre os destaques do I Simpósio de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, que a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) promoverá a partir desta terça-feira (12), no campus-sede. A promoção é do mestrado institucional em Ciências Biológicas e sugere, também, a aproximação entre a graduação, mestrandos e pesquisadores para avaliar o atual estágio e os novos rumos da investigação científica no âmbito da Unimontes.

Os trabalhos serão realizados até o dia 15 de abril. “O evento visa principalmente discutir a pesquisa nas áreas biológicas em todo o contexto da Unimontes”, analisa o coordenador do mestrado, Ronaldo Reis Júnior, organizador do evento e responsável pela conferência de abertura nesta terça-feira (12), às 19h30, no auditório do prédio 2.

Na quarta-feira (13), a partir das 8h10, apresentação de trabalhos científicos de mestrandos e graduandos, seguida da palestra “A herbivore thah manipulates plant defence”, com o pesquisador holandês Arne Jansen, da Universidade de Amsterdã. No início da tarde, às 14 horas, a mesa redonda “Processos ecológicos” contará com os professores José Fernandes Neto, Leandro Souto e Júlio Louzada, das universidades federais de Minas Gerais, Sergipe e Lavras, respectivamente. O professor da Unimontes, Anderson Medeiros dos Santos, será o mediador.

No encerramento das atividades do segundo dia, às 18 horas, será proferida a palestra “O Paradigma Panglossiano e a Evolução Morfológica em Corais Escleractíneos: revisitando os tímpanos de San Marco”, com o professor Marcos S. Barbeitos (USP).

Para a quinta-feira (14), a programação prevê apresentação de trabalhos científicos (8 horas); palestra “A vida no submundo: a biodiversidade interessa?”, pelo professor José Henrique Schoereder, da Universidade Federal de Viçosa – UFV (10h30); mesa redonda “Biologia de Vertebrados”, com os professores Paulo Garcia (UFMG), Waldney Martins (Unimontes) e Rodrigo Oliveira Pessoa – mediador professor Lemuel Olívio Leite (14 horas); palestra “Uso de feromônio sexual para o monitorar Lucoptera coffeela (Leptdopetera: Lyonetiidae): o bicho mineiro do café”, com o professor Eraldo Rodrigues de Lima/UFV (16h30).

No último dia do simpósio, serão desenvolvidas as seguintes ações: 8 horas – apresentação de trabalhos; 10 horas – mesa redonda “Interações Microbianas – Perspectivas em aplicações biotecnológicas, com a participação dos professores Paulo Henrique Rodrigues (USP), Wendel Meira (UFMG), Otto Domenici Mozzer (diretor científico da Vallée/SA) e o professor Henrique Maia Valério, da Unimontes (mediador).

Às 14 horas, a mesa redonda “Genética e conservação”, com os professores Mariana Pires de Campos Telles (Universidade Federal de Goiás), Dulcinéia de Carvalho (Ufla) e Evonnildo Costa Gonçalves (Universidade Federal do Pará), com mediação do professor Dario Alves de Oliveira (Unimontes). A palestra “A Genômica no terceiro mundo”, a ser proferida pelo professor Valdo Ariston de Carvalho Azevedo (UFMG), encerrará as atividades.

Ensino superior ganha destaque nas prioridades do Governo de Minas

Fortalecer a parceria com a Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais para desenvolver novos projetos que ampliem a inovação e o ensino superior na sociedade mineira. Com esse foco, osecretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, se reuniu com a Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG), nessa quarta-feira (30), em Belo Horizonte.

Na companhia do secretário-adjunto Evaldo Vilela; do subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Vicente Gamarano; e do subsecretário de Ensino Superior, Fábio Kallas, Narcio Rodrigues foi recebido pelo presidente da comissão, deputado Bosco. Na ocasião ele expôs as ações em andamento no Sistema Estadual de Ciência e Tecnologia, e os novos projetos doGoverno de Minas para a área. Além dos membros da comissão, também compareceram à reunião o presidente da ALMG, deputado Dinis Pinheiro, e o líder do governo, deputado Luiz Humberto.

Entre algumas prioridades anunciadas, estão o fortalecimento do ensino superior com destaque para a estadualização de seis fundações associadas à Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG); a construção do campus da UEMG em Belo Horizonte; um novo impulso para a Unimontes intensificar o seu trabalho na melhoria do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no Norte de Minas e a consolidação da Cidade das Águas, em Frutal, no Triângulo Mineiro, com a parceria do Instituto Hidroex e da Unesco. A Fundação Helena Antipoff, de Ibirité, também poderá ser potencializada na formação de professores da Rede Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), ampliada.

Nas apresentações, os deputados acompanharam os resultados dos principais programas de inovação desenvolvidos no Estado com diversas parcerias. Dentro do Sistema Mineiro de Inovação (Simi) foram mostrados números que refletem um novo momento da ciência, tecnologia e inovação em Minas Gerais. Os parlamentares tiveram ainda uma visualização das regiões e municípios onde a Sectes está presente com Arranjo Produtivo Local (APL), Polo de Excelência, Polo de Inovação, Centro Vocacional Tecnológico (CVT) ou telecentro.

Com as instituições públicas estaduais e federais de ensino em Minas Gerais, o secretário Narcio Rodrigues disse que é possível construir uma plataforma de convergência, o que significa evidenciar as potencialidades de cada uma para participar do novo momento caracterizado pela produção de conhecimento.

O secretário Narcio Rodrigues disse que compreende a importância do parlamento, por isso estava ali para mostrar o trabalho já desenvolvido e pedir a participação dos deputados para fazer avançar propostas que levem ao desenvolvimento. Rodrigues se comprometeu com o presidente Dinis Pinheiro em comparecer à ALMG com a frequência necessária para estabelecer uma parceria sólida.

Também estiveram presentes os deputados Carlin Moura, Neilando Pimenta, Paulo Lamac, Celinho do Sintrocel, João Vítor Xavier e Maria Tereza Lara. Todos foram unânimes em manifestar abertura para discutir os projetos do governo que visam ao desenvolvimento do Estado na área de ciência, tecnologia, inovação e ensino superior em Minas Gerais.

 

Estado lança editais dos projetos Universidade Cidadã e Universitário Cidadão

secretário de Estado para o Desenvolvimento dos Vales Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas, Gil Pereira, estará na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), nesta quinta-feira (24), para o lançamento dos editais dos projetos Universidade Cidadã e Universitário Cidadão.

 

O lançamento do Projeto Universidade Cidadã será às 9h, na sala do conselho, e será direcionado aos reitores e representantes oficiais das instituições de ensino do Norte e Nordeste de Minas. Já o lançamento do Projeto Universitário Cidadão será realizado, às 14h, no auditório Darcy Ribeiro, no Centro de Ciências Humanas, e será direcionado para professores e estudantes bolsistas. Ambos têm o objetivo de contribuir para o desenvolvimento sustentável e integrado nas regiões Centro, Norte e Nordeste do Estado.

Essa ação do Governo de Minas é uma parceria entre a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento dos Vales Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan) e a Assessoria de Articulação, Parceria e Participação Social da Governadoria.

Os projetos

O Universidade Cidadã terá o objetivo de mobilizar as instituições de ensino superior interessadas em desenvolver projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável e a inclusão social nas regiões do Norte e Central e nos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e São Mateus. Os projetos proporcionarão o engajamento do cidadão e da sociedade no processo de desenvolvimento na área de abrangência da Sedvan.

O Universitário Cidadão tem como foco a estruturação de equipes de trabalho, compostas por estudantes do ensino superior, para atuar nos projetos desenvolvidos pelo sistema Sedvan/Idene.  Os universitários envolvidos terão a oportunidade de realizar  intercâmbio técnico e cultural como atividade extracurricular e prática de ensino.  Durante o processo de seleção, serão escolhidos 1,3 mil universitários, conforme a sua área de atuação, com remuneração por meio de bolsas de estudos, no valor de R$ 600, que serão divididos em seis parcelar mensais.

Credenciamentos e inscrições

O credenciamento de instituições de ensino superior e as inscrições dos acadêmicos poderão ser feitas de 30 de março até 30 de abril. Os editais e as fichas de credenciamento e inscrição poderão ser baixados no site da Sedvan.

Toda documentação deverá ser encaminhada para a Secretaria para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), localizada no endereço: Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/nº, bairro Serra Verde – Cidade Administrativa, prédio Gerais, 8º andar – CEP: 31.630-901 – Belo Horizonte/MG.

 

Unimontes e prefeitos discutem medidas para agilizar o Brasil Profissionalizado

Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) dá sequência às ações do Programa Brasil Profissionalizado, resultante da parceria entre o Ministério da Educação e a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que visa à construção de 12 escolas técnicas em Minas Gerais. Serão beneficiados os municípios de Bocaiuva, Brasília de Minas, Espinosa, Monte Azul, Janaúba, Joaíma, Taiobeiras, Manga, Grão Mogol, Pompéu, Ibirité e Lagoa Santa.

Com objetivo de agilizar as atividades, foi realizada reunião entre a reitoria e a equipe técnica da universidade com prefeitos das cidades que serão beneficiadas e com a diretoria da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams). Na oportunidade, foram esclarecidas dúvidas sobre o andamento do programa e apresentadas medidas que devem ser adotadas para agilizar as obras.

A reunião foi presidida pelo reitor João dos Reis Canela, que destacou como meta do encontro “o nivelamento das informações em relação ao Programa Brasil Profissionalizado com todos os municípios contemplados”. Ele destacou a importância da escolha da Unimontes pelo Ministério da Educação para a implementação das escolas técnicas no Estado.

“Além dos municípios da região onde está inserida, a convite do MEC, a universidade também está sendo responsável pela execução do projeto nas cidades de Ibirité e Lagoa Santa, localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)”, completou a vice-reitora Maria Ivete Soares de Almeida. Também participaram da reunião o presidente da Amams, Valmir Morais de Sá; os prefeitos de Espinosa, João Alves Miranda, e de Bocaiúva, Ricardo Veloso; e os representantes das prefeituras de Janaúba, Taiobeiras e Pompéu.

Agilidade

No encontro, ficou definido que a Unimontes e prefeituras estarão mobilizadas junto ao Ministério da Educação e ao Governo do Estado para acelerar a liberação dos recursos para o programa oriundos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Nesse sentido, o apoio do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, será imprescindível.

Centros

Conforme o convênio firmado com o Ministério da Educação, o Programa Brasil Profissionalizado prevê cerca de R$ 70 milhões para a construção das 12 escolas técnicas em Minas Gerais. Para a primeira etapa, está prevista a liberação de R$ 17 milhões. Cada unidade escolar terá 18 espaços educacionais, sendo 12 salas de aula e seis laboratórios básicos; auditório, biblioteca, refeitório, área de vivência, quadra e dois grandes laboratórios técnicos, com o envolvimento de 60 professores.